O processo de naturalização como forma de fortalecer uma seleção

Falar de naturalização é sempre um assunto polêmico. É assim desde Taismarys Aguero deixou a ilha de Cuba para tornar-se italiana e defender a seleção de seu novo país. Aguero chegou inclusive a enfrentar sua ex-seleção em quadra. Até aí, tudo normal. 

Mas em 2012 uma seleção acendeu o alerta sobre a necessidade de se alterar o regulamento para naturalizações: a Sérvia. Naquele mesmo ano, Brankica Mihajlovic disputou o qualificatório olímpico pela Bósnia e Herzegovina e mais tarde foi aos Jogos Olímpicos defendendo a Sérvia. Tudo dentro da lei, tudo autorizado pela FIVB, mas estranho.

Ainda em 2012 passou a vigorar a regra atual sobre as naturalizações que obriga os jogadores a cumprirem um período de dois anos de carência para atuar por uma nova seleção, após a aprovação da FIVB. Foi isso que gerou aquela polêmica enorme e tardia com Meliha Ismailoglu em 2019 (clique aqui para relembrar).

O processo de naturalização e troca de federação é um direito civil e esportivo: mas qual é o limite disso? Quando as naturalizações se tornam um "mercado do vôlei"?

Melissa Vargas protagoniza o mais recente caso de naturalização no voleibol, trocando Cuba pela Sérvia (Foto: Fenerbahçe/reprodução)


Precedente perigoso

Melissa Vargas e sua cidadania sérvia reesquentaram o debate nesta semana. E é oficial, o técnico sérvio Zoran Terzic já confirmou ao portal World Of Volley que a Federação Sérvia (OSSRB) solicitou à FIVB a federalização de Vargas como jogadora naturalizada.

Nesse sentido, Vargas já é considerada cidadã sérvia, ainda que mantenha a cidadania cubana (Cuba permite dupla cidadania, a Sérvia também). Agora, basta que a FIVB autorize seu pedido para que se iniciem os dois anos de carência e ela posso atuar pela seleção europeia.

Melissa nunca atuou por um time sérvio e até onde sabemos, nunca viveu no país - embora precise comprovar residência de no mínimo dois anos por lá, sendo que em 2018, Vargas ainda estava em Cuba. Terzic confessou o convite à jogadora, o técnico ofereceu a naturalização. 

Outro ponto que vale nossa atenção é que a reputação precede a Sérvia: Tijana Boskovic veio da base da Bósnia e Herzegovina, mudou-se para a Sérvia, jogou lá por anos. Justo, mas Mihajlovic nunca atuou por um time sérvio e só teve a naturalização oferecida quando já havia brilhado pelo Volero Zurich.  Esse tipo de processo se repete com Vargas, não é um "é seu direito morar aqui e ser cidadã sérvia", mas sim de "você é ótima jogadora e eu vou te trazer para a minha seleção". 

Vargas está saindo de um país que complica sua vida no esporte? Sim, concordo plenamente. Não há nenhum erro sobre o que a cubana está querendo, Tai Aguero e Rosir Calderón, por exemplo, desertaram do regime cubano para buscar uma nova vida na Europa. Mas primeiro pediram "abrigo" a um país, já que naquela época Cuba era bem mais rigorosa e Aguero chegou até a ter a família ameaçada. 

Tudo dentro da lei, mas precedente perigoso, insisto. Afinal, você pode ver uma menina como Ana Cristina brilhando na base e convidá-la para sua seleção (foi exatamente o que aconteceu com Boskovic!). 

E fica o alerta para a regra 2.2.1 do manual de Regulações Esportivas da FIVB que diz: "apenas uma jogadora, que jogou por outra seleção da mesma categoria de idade, pode ser parte de um mesmo time". Isso quer dizer que, por exemplo, a França poderia convidar Ana Cristina (base do Brasil) e Isabelle Haak (adulto da Suécia) sem o menor constrangimento. 

Todas as solicitações de naturalização, que a FIVB chama corretamente de troca de federação ou nova federalização (já que existe a dupla cidadania), devem ser aprovadas pelo comitê da FIVB e pelo presidente Ary Graça. 

A naturalização de uma jogadora ou jogador que já atuou em outra seleção adulta concede à FIVB o valor de 25 mil francos suíços, ou seja, cerca de R$ 149.648,00.

Mihajlovic e Boskovic nasceram na Bósnia e Herzegovina; ponteira se naturalizou em 2012, enquanto Boskovic chegou à equipe nacional em 2014 (Foto: CEV)


Comentários

  1. Brasil tem Leal, Polonia Leon e Italia Juantorena... isso ja é uma moda, queridos. Tudo dentro da lei...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo dentro da lei e não é isso que o post quer contestar. Leal e Juantorena jogaram vários anos pelos países que hoje defendem e Leon é casado com uma polonesa. Vargas não tem qualquer identificação com a Sérvia, nunca morou lá e nem sabe o idioma. Se essa moda pega, as federações vão colocar olheiros pra encontrar super atletas espalhados pelo mundo e naturalizá-los.

      Excluir
    2. Se isso esta acontecendo besta for a Haak, de não pedir naturalização em alguma seleção top acho que ela esta entre Turquia e Brasil (muito amiga da Gabi e Adenizia) .E se quiser vir eu não tenho nada contra.

      Excluir
  2. Brasil poderia contratar Hooker, Leyva e afins para serem da seleção

    ResponderExcluir
  3. A República Dominicana poderia naturalizar uma levantadora, rsrs

    ResponderExcluir
  4. Na minha opinião, seria mais justo a naturalização de somente um jogador, independente se é categoria de base ou adulto. Parabéns Gustavo pelo excelente texto.

    ResponderExcluir
  5. O mau-caratismo parece ser a principal "qualidade" do zumbi cigarrento e da tal FIVB, é frustrante gostar tanto de um esporte onde impera esse tipo de comportamento. Pra corrupta FIVB, tudo é possível, basta pagar bem e ela faz vistas grossas. Espero que pelo menos, o ouro olímpico nunca chegue nas mãos desse crápula, mesmo com dó digo: antes as debochadas chicleteiras que a Sérvia.

    ResponderExcluir
  6. A questão é não lei pq não configura lei pq a fivb e um órgão esportivo e não Federal para implantar leis e sim regras para o esporte que ela rege ,o ponto que a matéria está informando é o tipo de prática e manobras para as naturalizados jogarem para outros países,a meu ver no mínimo os naturalizados devem ter vínculos com os respectivos países e no caso da Vargas e zero,não fala o idioma,nunca morou ou tem moradia la,nunca jogou liga local,e pelo visto nunca visitou a Sérvia nem como turista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leon é outro que n tem nada haver com a POL. Leon é filhos de pessoas negras!! Sempre, os seus são vistos em jogos importantes dos filhos. E acho que ele n fala polonês - uma língua complicadíssima!!!

      Excluir
  7. Dá para formar um timaço de jogadoras naturalizadas, que suas seleções não tem representativa mundial atualmente, vejamos:

    Oposta: Haak (Suécia)
    Pontas: Vargas (Cuba) e Brício (México)
    Levantadora: Eva Mori (Eslovênia)
    Libero: Maria Bertelli (Grã-Bretanha)
    Meio: Christina Bauer (França)
    Universal: Vasileva (Bulgária)

    ResponderExcluir
  8. Gostei desse timaço sugerido pelo anônimo!

    ResponderExcluir
  9. Com Varguinhas, agora meu coração ❤ se tornará sérvio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Melissa é uma grande promessa do vôlei. Mas essa garota deveria ter consciência e voltar a defender CUBA. Foram cubanos que apostaram nela, que a descobriram! mas como ela parece ser temperamental e já mentalizou o capitalismo exacerbado, dificilmente voltará a defender a seleção cubana. Gente e a Liga Nacional de Cuba, vai voltar em 2020? alguma revelação por lá? No masculino, finalmente! eles acordaram!!!

      Excluir
  10. O Nome dela é Tiffany!!!1 de outubro de 2020 18:54

    Eu vou me naturalizar Polonesa, e quero jogar contra essa desertora da Vargas e gritar muito na cara dela!!! Acredito que no máximo uma menina naturalizada por seleção já está ótimo!!! Daqui a pouco vão alterar regras e poderão ter até 3 meninas naturalizada. Vai ser um tal de quem paga mais eu me naturalizo!!! Patético!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Oi, gente!

Obrigado por comentarem aqui, mas peço que vocês façam isso com respeito para mantermos um nível de discussão agradável. Ofensas pessoais à jogadoras e a outros membros não serão aceitas. É um prazer voar com vocês! ;)