O constrangedor abismo que separa italianos e brasileiros no Mundial de Clubes

(Foto: reprodução/FIVB)

Nenhuma imagem me marcou mais neste Mundial de Clubes do que essa que abre esse post. Eu posso ilustrá-la: ali estão Miriam Sylla, Paola Egonu, Robin De Kruijf, Raphaela Folie e Joanna Wolosz vibrando pelas suas companheiras em quadra após um bloqueio de Botezat em Thaísa no 26º ponto das panteras no tie-break. Depois disso o Minas não pontuaria mais.

Não sei se vocês repararam durante o jogo, mas Egonu, destaque do time, sequer foi com a camisa de jogo para a partida e ficou o tempo todo com a camiseta de treino, é visível inclusive neste print. Nunca esteve nos planos de Daniele Santarelli colocá-la em quadra. E também não precisou, bastou colocar Wolosz, De Kruijf, Hill e De Gennaro em quadra, quatro de suas sete titulares, para fazer 2 sets a 0 e garantir a liderança do grupo.

Apenas quatro titulares do Conegliano, dentre elas Hill e De Gennaro, atuaram no jogo. Após vencer o segundo set, nenhuma titular entrou na partida (Foto: FIVB)


Bastava para Santarelli. O italiano não se preocupou mais com o peso de um clássico entre os atuais campeões das duas ligas mais fortes do mundo, com a invencibilidade, com a história de nunca ter perdido para o Minas, com o objetivo de vencer para sua torcida. O Conegliano deu de ombros, veio 100% reserva, formação que não usou nem contra o mais frágil italiano, nem contra os adversários menores na Champions. 

A partir daí virou jogão: o time 100% titular do Minas x o time 100% reserva do Conegliano. Não era mais um duelo entre Wolosz e Macris, duas das melhores do mundo em suas posições, era um duelo entre Gennari e Macris. E foi assim que McClendon conseguiu crescer e fazer seu melhor set, talvez em toda a temporada (foram 6 pontos!), foi assim que Bruna finalmente fez mais de 5 pontos em um set, foi assim que o campeão sul-americano esteve no mesmo nível do vice-campeão europeu.

Time do Minas só conseguiu reagir depois que o Conegliano tirou todas as titulares de quadra. Deja McClendon chegou a fazer 5 pontos em uma parcial (Foto: FIVB)


Já não seria de se comemorar a vitória no 5º set em cima das reservas do Cone, mas a virada após ter 14x12 foi pior ainda. E mesmo nas inúmeras vezes em que Santarelli esteve atrás do placar, mesmo quando Hill poderia reforçar a recepção, quando Wolosz e Egonu poderiam entrar em um 5x1, quando Folie poderia aumentar o bloqueio no lugar de Gennari, Santarelli não fez nada.

As reservas do Conegliano, já classificado, se divertiam e ganhavam ritmo em quadra. Enweonwu fez sua melhor apresentação desde que chegou no time, foram 23 pontos em 3 sets - mais do que Bruna e Sheilla em toda a partida, que juntas marcaram 21. Acosta fez uma grande exibição no 5º set, ela é uma boa jogadora mesmo, mas não sei se boa o suficiente para ser titular no atual campeão brasileiro que quer um novo título. 

Terry Enweonwu, que divide a reserva da prima Egonu com a ponta-oposta Sorokaite, foi a maior pontuadora do jogo e marcou mais em três sets do que as opostas do Minas em toda a partida (Foto: FIVB)


Um abismo parece separar italianos e brasileiros neste Mundial de Clubes. E nem o Praia Clube, um dos favoritos na nossa liga, conseguiu bater de frente com o Novara, que nem é um dos favoritos da liga delas. O Praia sequer conseguiu fazer frente ao Novara hoje, trocou inúmeras peças, enquanto Brakocevic e Vasileva passavam com facilidade pela defesa uberlandense. Ao meu ver, o Praia tinha time para brigar com Tianjin, Vakifbank e Novara sim! Mas acabou apanhando de todos eles. Enquanto Coco ainda não consegue fechar seu time titular, mesmo que tenha várias lesões, Barbolini acaba de recuperar suas duas opostas e uma de suas ponteiras, tendo seu time completo como em poucas vezes teve nesta temporada. E mesmo assim a diferença entre eles é inexplicável!

Se evoluiu no segundo jogo, Praia Clube voltou a cair de produção no terceiro e Paulo Coco não sustentou titularidade de suas jogadoras (Foto: FIVB)


Como esperado, os turcos despacharam os chineses. Chineses que ainda assim ficaram à nossa frente. Nossa única chance de redenção neste Mundial é provar, na menosprezada disputa pelo 5º lugar, que ainda somos capazes de superar os times chineses, liga que ainda busca solidificar-se no continente. 

Mas agora, sinceramente, o gosto da decepção já está em nosso paladar que ansiava por esse torneio. Mais fraco, o Minas não consegue superar as reservas do Italiano, mais forte, o Praia não consegue passar pelo campeão turco deformado e pelos vice-campeões chinês e italiano. Tudo bem que esse é o Mundial mais forte da história, mas o voleibol brasileiro de clubes já respirou dias melhores.

Praia Clube precisa se reajustar para briga do 5º lugar (Foto: FIVB)

Mundial de Clubes 2019

MP: Enweonwu (23) | Acosta (21)

MP: Vasileva e Brakocevic (17) | Fernanda Garay (13)

MP: Haak (24) | Li (9)

MP: Boskovic (24) | Zheng YX (9)

Semifinais 

Conegliano (ITA, 1ºA) x Vakifbank (TUR, 2ºB)
Novara (ITA, 1ºB) x Eczacibasi (TUR, 2ºA)

5º Lugar
Guangdong (CHI, 3ºA) x Praia Clube (BRA, 4ºB)
Tianjin (CHI, 3ºB) x Minas (BRA, 4ºA)

DOMÍNIO ITALIANO: Conegliano de Hill e Novara de Hancock estão invictos no Mundial (Foto: FIVB)

Comentários

  1. Vou torcer com todas as minhas forças pelos turcos amanhã.
    E a carinha de deboche das primeiras mencionadas acima se transformará em rios de lágrimas ano que vem: Wholônia sem a vaga olímpica, Itália pipocando em uma quarta de final olímpica, isso se chegar lá e a Holanda se chegar em Tokyo, morrerá na praia como de costume. Karma is a bitch!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Choraaa rancorosa!!!! Aceita que dói menos fedor

      Excluir
    2. Não torço pelo FubáMinas e nem pelo Flopraia, ao contrário estava torcendo pelo tombo dos dois, mas essas italianas e Cia se acham demais e mesmo tendo ficado puto com a sacanagem servia no Mundial passado, adorei ver o tombo delas, a Sylla errando o último ataque foi a cereja no topo do bolo. São só verdades ô anta!!!

      Excluir
    3. Ei anônimo. Vc torce para o Sesc Rio ne kkkk

      Excluir
    4. Não filho, não torço pelas carioquentas, mas estou tentado esse ano, pela rainha europeia Josefa Fabíola.

      Excluir
  2. Assisti o jogo e amei essa virada no quinto set, foi sensacional.
    14x12 e o Conegliano virou. O karma volta não é mesmo Minas?? Um dia da caça e outro do caçador.
    A MVP foi a Ogbogu, excelente no ataque e no bloqueio, 20 pontos no jogo, impecável.

    ResponderExcluir
  3. O pessoal que comenta aqui adora falar de "Karma", que coisa.... Bom, torcendo para dias melhores para o volei brasileiro. Espero que venha novos nomes da base, como o de Ana Cristina.

    ResponderExcluir
  4. Até reconheço a dificuldade do Minas, pois perder sua linha de passe com 2 das principais ponteiras do mundo não é fácil! A espinha dorsal do time que era sua linha de passe com Gabi, Natália e Léia foi toda desfigurada, sobrando somente a Léia. Acosta, Deja e Kasiely não conseguem substituir Gabi e Natália à altura nem no passe, nem no ataque. O Minas teria que investir muito alto para substituir a qualidade defensiva/ofensiva de Gabi e na Natália, no Brasil não tem substituta à altura, já que elas são as melhores ponteiras brasileiras na atualidade e titulares da seleção. O Minas teria que buscar substitutas no mercado externo, e aí gastar muito dinheiro pra trazer gringas pra cá. Teria que fazer igual o Cruzeiro fez trazendo 2 ponteiros de altíssimo nível como Facundo Conte e Gordon Perrin e reformular toda sua linha de passe com gringas de primeira linha.
    Já o caso do Praia é diferente, pois o elenco é fortíssimo, mas o que atrapalha é o ultrapassado Paulo Coco. A qualidade de Brayelin Martinez e Nicole Fawcett é infinitamente superior à de Deja MacCledon e Roslandy Acosta. O Praia tem 2 gringas de alto nível e tem um banco de reservas melhor que o do Minas, mas o técnico Paulo Coco não sabe lidar com as peças que tem na mão. O Praia tinha totais condições de estar nas semifinais. Inclusive, o Praia tinha a obrigação de vencer o Tianjin sem a Zhu e com somente a Yingying Li pontuando no tie break. Não tenho dúvidas que se o técnico do Praia fosse o Lavarini, por exemplo, o Praia teria vencido aquele tie break contra o Tianjing. O jogo contra o Novara então, foi mais decepcionante ainda. O time do Praia é com uma Ferrari sem piloto, pois o Praia investiu tanto em jogadoras, mas esqueceu de renovar a comissão técnica, infelizmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse lamento na dificuldade de substituir Natália e Gabi não me convence. O Minas contratou muito mal..... não souberam formar uma equipe, fizeram cagada na posição mais importante do time: as ponteiras, e com isso foram passar vergonha na China.

      Excluir
    2. Ninguém precisa te convencer anônimo 22:05h. Substituir as ponteiras Gabi e Natália é difícil até na Seleção Brasileira, como não seria difícil substituí-las no Minas. Não foi à toa que Gabi e Natália foram contratadas pelo Vakifbank e Eczacibasi, duas das equipes mais ricas do mundo. Teria que ter muito dinheiro e patrocinadores fortíssimos para manter Gabi e Natália no Minas ou para trazer estrangeiras que fossem tão caras como elas. A questão não é contratar mal, a questão é ter dinheiro pra trazer ponteiras de altíssimo nível que são raras e caras! Quais gringas poderiam substituir Gabi e Natália? Será que o Minas teria dinheiro para contratá-las? Essa é a questão. Será que o Minas teria dinheiro pra contratar uma Brayelin Martinez e uma Yeon-koung Kim para substituir Gabi e Natália?
      O Praia tinha essa grana pra investir tanto que tem no seu elenco Brayelin Martinez e Nicole Fawcett, será que o Minas tinha esse poder aquisitivo pra trazer ponteiras de alto custo?

      Excluir
    3. Amigo Unknown é óbvio que não iam conseguir substituir a altura da Natália e Gabi, não precisa ser nenhum gênio para sacar isso, alias todo mundo sabe disso.... Agora a diretoria do Minas não precisava ter contratado duas meias bocas pra posição. Será que não tinha ninguem melhor no mercado? com certeza sim.... A sua linha de raciocínio é: já que não podemos contratar o que tem de melhor vamos nos contentar com porcaria?

      Excluir
    4. Não meu amigo, a minha linha de raciocínio é que pra contratar "o que tem de melhor" como vc mesmo citou, precisa de grana, precisa de patrocinador forte, precisa de bufunfa, dinheiro etc... O que eu quero dizer é que se o Minas tivesse essa grana, teria segurado Gabi e Natália no clube. Acontece que o Minas não tinha grana nem pra manter Gabi e Natália no clube e nem pra contratar alguém que pudesse substituí-las à altura. Entendeu agora o que eu quis dizer?
      A minha linha de raciocínio é que faltou um patrocinador forte que tivesse dinheiro suficiente para manter Gabi e Natália ou para contratar ponteiras gringas de alto nível.
      Acontece que o Minas não tinha essa grana, o tempo foi passando, as melhores jogadoras já estavam fechando seus contratos com os times que tinham grana para bancá-las e acabou não restando muitas opções que se encaixassem no orçamento do Minas.

      Excluir
    5. Então tá.... se vc acha que opção do Minas era a deja mcclendon.....tá certo

      Excluir
    6. Imaginem que é a comissão Paulo Coco que ficará no comando da Seleção feminina....Tem angu nesse caroço e dos grandes

      Excluir
    7. Não é possível que Paulo Coco fique na seleção depois de Zé em 2020, isso seria uma tragédia!

      Excluir
    8. Se o Minas tivesse contratado a SAMARA e a BUIJS seria muito melhor!

      Excluir
    9. No meio da temporada 2019/20 já se cogitava a saída da Natália e da Gabi. Quando chegamos nas semis, já eram fortes os indícios da ida delas para os clubes turcos. E já nas finais, já tínhamos como certas as idas delas para a Turquia. O departamento de vôlei do Minas (sob comando do Cebola) tinha todas as condições de terem se adiantado no mercado e encontrado ponteiras para substituir decentemente Natália e Gabi. Eu entendo o argumento da falta de opções no mercado (depois que já QUASE não havia opções) e entendo o argumento da falta de condições financeiras suficientes para contratar ponteiras do 1° escalão. Mas o Minas teve a oportunidade de se adiantar no mercado (pela obviedade das saídas de Natália e Gabi) e se atrasou/vacilou muito. Foi um erro que vai custar muito caro para o MTC.

      Excluir
  5. A verdade nua e crua é que o Praia tinha um investimento muito maior que Minas, um elenco e um banco de reservas muito mais caro e mais completo que o Minas, estrangeiras mais caras e mais eficientes que as do Minas. Afinal dá pra comparar Brayelin Martinez e Nicole Fawcett com Roslandy Acosta e Deja MacCledon? Então o Praia tinha a obrigação de ir muito melhor nesse Mundial do que foi o Minas. Eu não esperava muito do Minas nesse Mundial. Mas achava que o Praia tinha montado um elenco capaz de ir além. Enfim, pra mim o Praia deu vexame, principalmente no tie break contra a Li, digo, Tianjin.

    ResponderExcluir
  6. Ainda bem que os times mineiros foram só constrangedores, se fosse Osasco seria uma tragédia.

    ResponderExcluir
  7. Eu acredito que seja um momento importante para a Avaliação ou reflexão do que tem sido a condução e condição do vôlei ou Superliga feminina. A questão do ranking revelando mto do poder machista e segregador em relação as jogadoras, dirigentes sem nenhuma dignidade ao ponto de lesar uma Instituição e querer sair na foto de campeão depois(lembremos Londres 2012).Não há sequer o O abandono total da Equipes de Base, campeonato estaduais com 3 Estados em ação,feitos em fundo de quintal,imprensa que não favorece em nada as equipes intermediárias ,imagine as no papel de figurantes.NAO HA SEQUER O RECURSO DO DESAFIO.Eo maior dos desafios com todo o respeito é ter que pensar,treinar e esperar SHEILA,GARAY , FABÍOLA,DANI LINS, THAISA,daqui a pouco chamarão Ana Moser e a Jakie levantadora.Pensar sobre o abismo entre o Brasil e o Mundo no vôlei feminino é o mesmo sobre o famoso biscoito São Luis:vende mais porque é fresquinho ou é fresquinho porque vende mais .Uma gde pergunta para o Zé que não larga o pé do vôlei fem.

    ResponderExcluir
  8. Aleluia! Deus seja louvado! Graças a Deus os clubes brasileiros não irão disputar o humilhante último lugar deste Campeonato Mundial!
    Vivian Pellegrino entrou "on fire" incendiou o time do Minas, motivou, deu novo ânimo à equipe e Thaísa entrou na onda dela e acabou com o jogo! Não teve nem pra Hooker, nem pra Yingying Li, hoje foi dia das centrais do Minas Thaísa e Vivian que fizeram uma partidaça junto com a Macris!
    Por outro lado quem deu novo ânimo ao Praia foi a sempre eficiente, segura e constante ponteira passadora Michelle Pavão entregando a bola na mão da Claudinha.
    Vivian Pellegrino pelo Minas e Michelle Pavão pelo Praia foram as novidades que fizeram a diferença na atitude de seus times hoje e evitaram o desprazer de ter que disputar o último lugar, ainda bem!
    Com isso tudo, o vexame maior é dos clubes chineses que foram empurrados ladeira abaixo pelos clubes brasileiros para a humilhante disputa do último lugar num Mundial disputado dentro da própria China!
    Deu até vergonha alheia desses clubes chineses!

    ResponderExcluir
  9. Bom Dia amiogs! Onde posso assistir Vakifbank x Conegliano pela internet, qual link?

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Sempre há o contraditório para essas questões. Então vamos lá: fui ver o elenco do Novara e contei 6 estrangeiras de 14 jogadoras. Nem fui ver como é o do Cone, mas imagino que deva ser algo similar. A longo prazo isso será beneficio para o voleibol italiano? estarem no auge como seleção é exceção e não regra. É tudo ao custo do surgimento do fenômeno Egonu. E como bem sabemos: fenômenos não surgem todos os dias!

    ResponderExcluir
  12. Tainara do Barueri superior a todas as ponteiras do Minas, super nova,barata e potencial

    ResponderExcluir
  13. Pra mim vejo o Sesc rio com Fabíola,jucy e tandara como finalistas da superliga

    ResponderExcluir
  14. A verdade é que a diretoria do Minas foi muito incompetente nesta temporada pra contratar alguém que fosse ao menos na média das outras ponteiras dos clubes mais fortes da SL. Já se sabia antes do final da temporada que Gabi e Natália não ficariam, principalmente por conta das merda do ranking pois as duas queriam ficar, mas o clube demorou horrores para ir ao mercado e quando foi fez merda. Não vejo que o problema tenha sido dinheiro pois o patrocinador majoritário se manteve o mesmo da temporada passada para esta. O problema foi a falta de visão e de comprometimento em manter o time no mesmo nível da última temporada. Assim o Minas voltou a ser o mesmo coadjuvante da última década.

    ResponderExcluir
  15. Na ocasião da contratação da Deja e da Acosta, eu fiz vários posts dizendo que não tinha como estas jogadoras pouco conhecidas no mundo do voleibol, ter condições técnicas para vestir a camisa do Itambé/Minas para substituir as insubstituíveis Gabi e Natália, tinha melhores opções no mercado, lembramos que o Minas chegou a fechar com a Drussila porem o Bernadinho a convenceu a permanecer no Rio, não seria a melhor opção mas com certeza seria melhor que pelo menos uma das ponteiras contratadas. Erraram feio a contratar a Sheilla, porque após 03 anos inativa, estava na cara que ela não teria tempo hábil para adquirir a forma física e técnica. Portanto o 5º lugar no Mundial foi até surpreendente para um time tão mal montado para uma competição de alto nível como este mundial.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Oi, gente!

Obrigado por comentarem aqui, mas peço que vocês façam isso com respeito para mantermos um nível de discussão agradável. Ofensas pessoais à jogadoras e a outros membros não serão aceitas. É um prazer voar com vocês! ;)