Brasil ganhou muito mais do que perdeu na VNL

O Brasil perdeu o título, mas tem muito a comemorar. Depois da série anormal de dispensas que frustou José Roberto Guimarães, a gente até poderia se desanimar com esse time. Mas esse grupo não deixou. Aliás, eu estou encantando com essa seleção, inclusive por ter chegado à final. 

Macris em sua primeira competição como titular da seleção principal deu show. Ainda não é a mesma segurança da Superliga, claro, mas tudo isso se constrói com o tempo. E a evolução da levantadora da primeira semana à fase final é absurda. Zé Roberto final acatou nosso pedido. 

Show de Mara nessa final, principalmente nos dois primeiros sets. Quando Natália saiu e o passe caiu, sua atuação foi a mais prejudicada. Mas gostei principalmente da postura, da raça, da qualidade na definição contra uma defesa forte como a americana. E o que dizer de Bia, que fez uma temporada muito ruim e teve pontuação de oposta no jogo decisivo contra a Polônia?

E também temos Lorenne, que em hipótese alguma pode ser descartada no ciclo. Hoje foram 20 pontos, mas também foi eficiente no primeiro jogo contra os EUA. Até que se prove o contrário, é a melhor opção para a reserva de Tandara. A estreia de Tainara, a recuperação de Roberta, o show inominável de Gabi.

Minha preocupação com a seleção brasileira é que os "medalhões" retornem apenas pelo peso que têm no passado e pulem a "briga" que deve ser realizada na bola. Esse erro é conhecido, já foi feito por Kiraly, Bonitta, Atkbas e tantos outros. 

Minha definição é de que nesta VNL ganhamos mais do que perdemos e demos um novo ânimo ao futuro da seleção brasileira. Ganhamos ainda o sentimento de que este time brigará com a formação que tiver e ainda conquistamos o sentimento de que renovar pode até ser doloroso, mas também é preciso.

Seleção brasileira ficou em segundo lugar na VNL (Foto: FIVB)

Comentários

  1. É isso. Será que a Natália se recupera em 24 dias para o Pré-Olímpico? Essa é a minha maior preocupação. Foi muito estranho ela ensaiar o salto e lesionar a panturrilha. Deve ter sido um estiramento muscular. Pelo menos não foi o joelho bichado. Foi preocupante tbm vê-la usando muleta na premiação sem poder botar o pé no chão. Estou rezando para que tenha sido apenas uma 'cãibra mais intensa' e a Natália possa jogar contra Azerbaijão e República Dominicana no início de agosto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que a Natália volte. Por incrível que pareça, a RDOM pode nos dar trabalho e o Azerbaijão completo é sempre uma incógnita.

      Excluir
    2. Exato. A linha de passe azeri é ruim, mas o time tem Jana e Polina para virar os balões. E as dominicanas não têm nada a perder e virão com tudo pra cima da gente. O bom é que a Macris vai poder jogar um pouco mais solta com a Tandara na saída como desafogo da equipe. Mesmo assim, precisaremos muito da Natália visto que não dá pra contar com Amanda.

      Excluir
  2. Pois eu desejo sim com todas as minhas forças o retorno de algumas "medalhões", apenas Sheilla por estar parada e pela idade onde a posição de oposta exige muito é quem me preocupa, mas honestamente daqui a um pouco mais de um ano confio infinitamente em uma Sheilla de 37 anos que em uma Lorenne de 24, a primeira tem uma manha, confiança e sangue frio que faltam na segunda, principalmente pela juventude, inexperiência e falta de oportunidade. Desejo demais que Lorenne ou outra oposta alta e jovem (pelamor) esteja voando para o Mundial de 2022 e principalmente para Paris 2024.

    Sobre as centrais Fabiana (34 anos), Thaísa 32 anos, muito jovem ainda (que com a graça divina estará ao menos 70% de seu potencial) e Gattaz (37 anos) seriam muito mais interessantes que uma Bia, Carol, Mara ou Adenizia, dessas apenas Mara me anima para o futuro, precisa apenas de mais potencia no ataque.

    Ponteiras: Garay (33), Gabi, Natalia e Jaque (35) são muito mais confiáveis que uma Drussylla e Tainara que obviamente ficarão para o próximo ciclo.

    Levantadoras: levaria Fabiola e Macris e Dani como terceira opção, mas dificilmente o paneleiro abrirá mão da levantadora concursada pelo ouro de 2012.

    Líbero: Brait ou Leia, Suellen não pela amor de Deus.

    P.S.: Povo fala que com o time de veteranas afundamos nas quartas em 2016 imagine em 2020, mas era mais do que óbvio que o problema foi mais psicológico que técnico, a seleção brasileira feminina de voleibol não sabe ganhar títulos em seus domínios. 1994, 2007 e 2016 não me deixam mentir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu lembro do manda-chuva da USA volleyball comentando exatamente isso: que o Brasil perdeu por causa do fator psicológico. (Mal sabia ele que dias depois as americanas repetiriam o filme com direito a bola na rede da oposta hahaha).

      Excluir
    2. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      Lowe rainha da pipe na rede. A mulher ficou tão traumatizada com esse episódio que se afastou do vôlei por um ano e meio hahaha. Poderia ter se consolidado como a oposta titular do US nesse ciclo, mas agora tá disputando Copa Pan e perigando não participar de Tóquio com a ascensão de Drews e Thompson na saída.

      Excluir
    3. Discordo. O Brasil perdeu por cansaço! A China trocou seu grupo durante toda a olimpíada e chegou melhor em um momento decisivo.

      Excluir
  3. Excelente !!! O Brasil mostrou muita garra e coragem para enfrentar uma seleção com grande poderio de ataque e capacidade técnica de adaptação. As jovens atletas demonstraram que a renovação ( de fato isso acontecerá no pós - olímpico 2020 ) é o caminho para trilhar. Lorenne e Paula Borgo adquiriram muita experiência durante o torneio, sendo que a primeira é mais apta em se a reserva da Tandara no pré - Olímpico. Das levantadoras podemos tirar proveito na consistência da distribuição, na qual Macris foi muito bem ( poderia ter sido melhor ), por outro lado, Roberta se recuperou nos momentos decisivos e mostrou que ainda pode ser a titular da seleção ( tirou uma grande lição, não foi fácil bancar o torneio todo para sua concorrente ). As ponteiras ( especialmente a Gabi que já está carimbada para Tokyo 2020 ) amadureceram muito e deram conta do recado. Mara e Bia demonstraram o que é ser uma central de verdade, dando um show de bloqueio e ataque, fiquei SUPREENDIDOOO . PARABÉNS AO GRUPO !!!!!

    ResponderExcluir
  4. Joguei 'estiramento na panturrilha' no google e olhem o que apareceu:

    Lesões de Grau 1: O músculo é exigido demais e tem pequenas micro rupturas. A recuperação completa desse tipo de lesão demora até 2 semanas.
    Lesões de Grau 2: Nesse tipo de lesão, há um rompimento parcial do músculo. A recuperação completa desse tipo de lesão demora de 5-8 semanas. Lesões de Grau 2 podem ou não ter hematoma visível.
    Lesões de Grau 3: Esse é o tipo de lesão mais grave, quando há 80% ou mais do músculo rompido. Em alguns caso pode ser necessária a intervenção cirúrgica. Demora de 3-4 meses para a recuperação completa, assim como as lesões de Grau 2 o hematoma pode ou não ser visível.

    Espero de verdade que a lesão da Natália seja apenas de grau 1 \:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daí daria tempo de contar com ela no Pré-Olímpico o/

      Excluir
  5. Como você citou, sou totalmente a favor das nossas grandes jogadoras, mais que discutem na bola! Porque elas estão lá pra servir a seleção de melhor maneira e não para serem servida, orgulho do Brasil.

    ResponderExcluir
  6. Aí chega nas olimpíadas ele leva quase o mesmo time de Rio 2016 e as revelações ficam para 2028...

    ResponderExcluir
  7. Concordo as vezes é melhor perder dando oportunidade as novas jogadoras do que ganhar sem buscar uma renovação.

    ResponderExcluir
  8. O Mundial U20 acontecerá entre 12 e 21 de julho no México. Logo, vai dar para Tainara e Júlia Bergmann jogarem o Pré-Olímpico caso forem convocadas para a competição.

    E por que a Gattaz ainda não foi chamada para treinar em Saquarema? O período de 'quarentena' do joelho dela acabou mês passado. Espero que possamos contar com a Carol pelo menos para a Copa do Mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rainha da China! O retorno que mais espero!

      Excluir
    2. SIM!

      Ela jogando na velocidade da luz com a Macris = tudo. Carol tem que ir logo para Saquarema treinar com as meninas. A Copa do Mundo começa dia 14 de setembro, dá tempo para ela se preparar.

      Excluir
  9. Esse ciclo olímpico é muito diferente, até pq nos outros sempre nos acostumamos com o time completo desde o primeiro Grand Prix do ciclo até o último antes das Olimpíadas. Só conseguimos o nosso "time completo" no Mundial do ano passado e todo mundo lembra a desgraça que foi.

    Sobre a volta da Sheilla, no começo eu fiquei bem puto e revoltado, mas sinceramente não consigo ver nenhuma oposta de qualidade que possa ser banco da Tandara em 2020. Óbvio que ainda não sabemos como ela irá voltar, mas se ela voltar bem, não vejo problemas para ela bancar em Tóquio, mas veria se o Zé quisesse colocar ela como titular com a Tandara no auge da carreira. Em relação à volta da Fabiana, não concordo. Bia e Carol NÃO merecem isso e ainda tem a possível volta de Thaísa e Adenízia para o ano que vem, o que tiraria de vez as duas de Tóquio. Para mim, Tóquio tem que ser Thaísa/Bia/Carol, e caso Thaísa não voltar, aí podemos pensar em Mara ou Fabiana (também no banco, vamos respeitar o ciclo, querida).

    Em relação às levantadoras, tô com Macris e Roberta e não abro. São as duas que estão desde o GP de 2017 dando o nome pelo país (a Roberta participou de TODAS as competições até agora e botou a Dani pra comer banco no Mundial pq a recém mamãe não conseguiu segurar o canhão). Fabíola e Dani são passado, Fabíola ainda mais, até pq é MUITA cara de pau querer voltar apenas em 2020 pq tem o sonho de ganhar uma medalha olímpica. Ah, é egoísmo também.

    Gabi e Natália são show de bola, nada a falar. Esperando a Drussyla se recuperar 100% para somar com o time e a Garay querer parar de fazer a linha Sokolova e participar apenas de Mundial e Olimpíadas, pq a bichinha é muito importante para o grupo. Amanda e Rosa provavelmente correm por Fora e Tainara fica pra 2024.

    Sobre as líberos, não gosto da ideia de Suelen e Leia competirem TITULARIDADE. Não gosto muito delas, acho a Leia até melhor que a Suelen, mas ainda não me desce. Torço pela volta da Brait e pela ascensão da Natinha no time, mesmo sabendo que a probabilidade dela ir para Tóquio é mínima.

    O que o Zé tá fazendo hoje (de permitir esse break da Garay, Sheilla, Fabiana, Fabíola, Dani Lins e Leia) vai fazer muito mal ao grupo no próximo ciclo. Provavelmente a baixa de jogadoras (de vez) será altíssima após Tóquio, talvez até Natália possa se mandar, já que ela teria 35 anos em Paris. Sem falar na possibilidade dele levar Fabíola e Dani para Tóquio, o que causaria uma tremenda indisposição com Macris e Roberta, e Fabiana como central, podendo levar o injusto corte de Bia ou Carol. Enfim, VAI DAR MERDA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc realmente acredita que Bia e Carol que só sabem bloquear darão conta de um campeonato chamado Jogos Olímpicos? Não tem essa de NÃO merecem, Jogos Olímpicos é para os melhores, e as primeiras mencionadas e Roberta não têm nível para uma batalha dessas.
      Melhor uma Jaque que não erra passe, pra entrar em um momento oportuno (ex: no finalzinho do segundo set BRAxCHN em 2016, quando Natalia deu pane) que uma Drussylla quinadora.

      Excluir
    2. Concordo. Vai para as Olimpíadas quem estiver melhor perto de julho do ano que vem. Se uma central veterana, por exemplo, estiver jogando com mais qualidade do que uma mais jovem não tem nem o que pensar para convocar a primeira. De centrais estamos bem servidos. O problema mesmo é nas pontas.

      Excluir
    3. Exato, segundo anônimo. Olimpíada é uma competição rápida, em que um erro pode ser fatal. Vão as melhores e não importa se essas são veteranas ou não. Exemplo disso é a Itália que paga sempre por escolhas ruins aos jogos. Quem estiver jogando o fino ano que vem que ganhe a vaga (Zé Roberto o senhor me promete? Hahahaha). E terceiro anônimo, sim! Infelizmente a Natália não é de confiança, triste sua situação física. Garay e Gabi será babado, mas eu não pensaria duas vezes em um retorno da Jaque. A única jogadora que chega "perto" de fazer o que ela faz é Amanda e, com todo respeito à Amandinha, não é a peça ideal para compor uma equipe olímpica. De qualquer forma, considerando esse trio de pontas (Natália se o físico ajudar,Gabi e Garay) uma vaga está teoricamente aberta.

      Excluir
    4. Correção na parte da Itália:
      Nos jogos*
      (Exemplo clássico foi o vexame que a renovação forçada deles cometeu na Rio, ou a eliminação "surpresa" em Londres). Incrível o azar italiano em jogos.

      Excluir
    5. Amanda claramente não tem nível para jogar em Tóquio. Jaque sinalizou há pouco tempo que não descarta a possibilidade de retornar à seleção. Mas antes de qualquer coisa tem que voltar a jogar, né? KKK Sheilla pelo menos vai pro Minas mostrar se ainda merece participar de mais uma Olimpíada ou não.

      E exato: a vaga de 4ª ponteira está em aberto de acordo com o que você falou. Eu levaria uma especialista em passe para substituir uma titular que estiver quinando em demasia. Esse passou a ser basicamente o papel da Jaque no último ciclo olímpico. Mas o ZRG não a utilizou nem nas quartas da Rio 2016, nem na fase final da VNL 2018. Aí fica difícil e a própria atleta perde o desejo de representar o país sendo boicotada pelo próprio técnico mais de uma vez.

      Excluir
    6. Citei Jaque já crente no retorno dela na próxima superliga. Hahahaha
      E, porque ela é o perfil de jogadora vital para o nosso estilo de jogo. Mas, nem neste ciclo ou entre os grandes nomes nas pontas da base nenhuma jogadora surgiu para ocupar sua função. Zé improvisou a Amanda, mas infelizmente ela fica um pouco aquém e é nítido em alguns jogos. E sim, certeza que a aposentadoria dela tem relação direta com o ocorrido ano passado.

      Excluir
    7. Gabi e Garay têm que ser as titulares em Tóquio por controlarem melhor o passe. Mas a Fê tem anunciar logo após a SL o desejo de disputar mais uma Olimpíada. Não dá para ser às pressas como foi ano passado em que fez um Mundial ruim por falta de ritmo.

      Excluir
    8. Eu não sei pq o ZRG chama a Amanda e não a Mari PB. A última é muito melhor do que a primeira e não é convocada para a seleção desde o GP 2016. Mari vai jogar no Monza. Espero que arrase na Itália e seja mais uma opção para gente ano que vem.

      Excluir
  10. Será que o tornozelo da Garay já está 100%? Ela seria útil na Copa do Mundo se começasse a treinar pesado desde agora.

    ResponderExcluir
  11. O Europeu acaba dia 8 de setembro na Turquia e a Copa do Mundo começa seis dias depois no Japão :O Sérvia, Holanda e Rússia basicamente não terão tempo de descanso.

    O pouco espaço de tempo entre uma competição e outra é ainda mais absurdo no masculino. O Europeu acaba na França dia 29 de setembro e a Copa do Mundo começa DOIS dias depois - 1º de outubro - no Japão. Itália, Polônia e Rússia vão acabar se ferrando muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falando no outro naipe, a Eslovênia merecidamente conquistou hoje à tarde em casa uma vaga para a VNL 2020 no lugar de Portugal. É bom lembrar que os eslovenos venceram o grupo 2 da antiga Liga Mundial em 2017, mas de maneira muito injusta não ganharam um lugar na competição que no ano seguinte passaria a se chamar Liga das Nações. Enquanto isso, o time podre dos chineses está como "core team" desde 2018 na VNL. Esse ano eles mereciam ter caído por ficarem em último lugar na tabela da fase classificatória. O que o dinheiro não faz, né Ary Desgraça? ¬¬

      Excluir
    2. Copa do mundo vai esvaziar quer apostar? Sem dar vaga aos jogos a maioria das equipes não fará questão. Único fator é a premiação, que pode atrair as sérvias por exemplo. Vai depender do resultado do europeu e do pré-olímpico.

      Excluir
    3. O torneio meio que pode esvaziar mesmo sem dar mais vaga aos Jogos Olímpicos. E com premiação você quis dizer pontos no ranking da FIVB, né? Pq essa é a única coisa importante que sobrou na Copa do Mundo - fora a grana pra quem pegar pódio, claro. É muito importante o Brasil levar super a sério essa competição justamente pela pontuação no ranking. Como sediamos a última Olimpíada, não participamos da Copa de Mundo de 2015. Resultado: estamos desde 2011 - dois mil e onze - contando com os mesmos pontos obtidos no torneio daquele ano. O problema é que na época só ficamos em 5º lugar e esse resultado influencia até hoje os nossos chaveamentos nas competições mundo afora.

      Excluir
    4. Sim, na verdade ambos. A pontuação e o prêmio. Por isso que o a Sérvia. Eles não costumam ignorar (por isso foi bem surpreendente a abdicação à VNL, prova como os jogos olímpicos são enormes). E sim, o Brasil deve fazer sua parte. Daria uma boa moral para o ano que vem um grande resultado. Duas seleções que creio que veremos mais inteiras são China e EUA. Os chineses não costumam abrir mão de mostrar força regionalmente(jogos asiáticos ano passado foi o time A mesmo com o nível bem baixo) ainda mais com algumas seleções de outros continentes. Enfim, será bem interessante.

      Excluir
  12. A Seleção de Cuba ficou fora da Liga das nações 2020???!!!! Logo agora que Simon e cia voltarão!!!!! Cuba na Liga das Naçoes 2020 - ano bem legal!! 2020 - seria muito melhor para o volei e a competição. Imagine os recordes de público em Havana!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cuba deve se classificar para Tóquio pelo torneio da NORCECA.

      Excluir
  13. Ótimo texto, Gustavo! Também gostei muito da seleção feminina. A Mara defendeu as cores do Brasil com um a garra impressionante. A Bia, que muito criticam, é uma excelente bloqueadora, além de muita raçuda. A Lorene foi uma grata surpresa nessa fase final de Liga das Nações. Ela tem muito ainda a evoluir. A Macris com mais tempo de seleção tem tudo para ser uma jogaria melhor ainda. Também acho temerário a convocação de jogadoras pelo nome e status do passado. A experiência em casos anteriores não deu certo. Acho que é a oportunidade de criar algo novo na seleção feminina, insistindo na renovação, mesmo que forçada e a duras penas, mas que tenham um projeto de futuro.

    ResponderExcluir
  14. O vice-campeonato foi além do esperado, mas um fator preocupante foi ver que, a despeito dos cuidados especiais tomados, ficamos sem a Natália num momento decisivo (sem a Tandara já estamos acostumados: ela tem uma longa tradição de deixar seus times na mão na hora H). A próxima temporada será na Turquia, onde certamente ela não desfrutará do mesmo cuidado que o Minas teve com ela. Espero que a Natália seja acompanhada pelo JRG atentamente em sua temporada de clube, pois ficou claro que sem o time A não somos competitivos no nível necessário para almejar qualquer pódio importante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em 2017 e 2018, a Tandara só não participou de Montreux no ano passado. Esse ano ficou fora da VNL, mas já volta para o Pré-Olímpico. Você acha realmente que ela queria muito ter ficado de fora dessas competições? Todo atleta está sujeito a lesões, ninguém é de ferro.

      Já o caso da Natália é muito preocupante mesmo, pq ela vive quebrada há anos.

      Excluir
    2. " Você acha realmente que ela queria muito ter ficado de fora dessas competições?" Não, não acho. Creio que o caro leitor tem certa dificuldade para interpretar textos ou leu apressadamente. Em momento algum eu afirmei que era essa a vontade da Tandara. Seu histórico, porém, infelizmente tem ocorrências marcantes, a mais notável a do Praia Clube e, agora recente, na sua incompleta temporada na China. Torço para que tais infortúnios não mais se repitam e a Tandara possa finalmente escrever seu nome na história da SFV protagonizando um título marcante, condizente com a expectativa gerada pelo seu potencial, algo que por enquanto ainda não aconteceu.

      Excluir
    3. "sem a Tandara já estamos acostumados: ela tem uma longa tradição de deixar seus times na mão na hora H"

      Ocorreram episódios isolados de lesões. Daí você coloca como 'uma longa tradição' e eu que tenho dificuldades de interpretação? Faça-me o favor. E estamos falando de seleção e não de clubes.

      Excluir
    4. E o título do GP 2017 foi muito marcante pela trajetória louca do Brasil na competição. Inclusive a FIVB garfou o MVP que era por direito da Tandara dando o prêmio pela segunda fez consecutiva para a Natália.

      Excluir
    5. ..segunda vez*..

      Excluir
    6. Tirando alguns pontos como Libero gostava da formação de 2017. Ao menos foi um ano em que o poder ofensivo do Brasil esteve mais forte neste ciclo. Apesar dos tocos, comemorações exageradas e da pose "blogueirinha" Rosa fez falta sim com esse tanto de desfalque. Perdeu uma chance que dificilmente terá tão cedo, fazer o que fez a Gabi nesta temporada e mostrar maturidade e protagonismo. (Ainda acredito no potencial da Rosa, mas infelizmente vai ficar, muito possivelmente, para outro ciclo). Porém foi bom porque Lorenne tocou o ressuscita-me e mostrou nos três últimos jogos porque assombrou o mundo na base. (Torço muito para que ela mantenha isso. O momento atual é da Tandara mas é preocupante a falta de opostas reais neste ciclo, o problema da Bruna foi um pecado e o retorno da Sheilla é necessário sim).

      Excluir
    7. Fatos, Unknown.

      Excluir
    8. Que tal uma nova redação que seja mais fácil de interpretar e reduza o estresse? "...ela tem uma longa tradição de episódios isolados de lesões..."; mas não dá para incluir o " Você acha realmente que ela queria muito ter ficado de fora dessas competições?", pois isso eu, faça-me o favor, em momento algum escrevi.

      Excluir
  15. Tem muito tempo ainda até a Olimpiada, nesse meio tempo muita coisa pode acontecer, inclusive problemas físicos. Deveria ir pra Tokyo quem estiver melhor. Acho bobagem ficar falando A ou B ou C é quem vai ou não vai. Vimos em Londres que Fernandinha veio do nada, apresentando um voley mediano e tomou a vaga de quem vinha prestando serviços. Que fique como alerta. Nada está garantido a ninguém!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem lembra do caso da Fernanda. Com todo respeito à ela. Mas o que o Zé (que é uma lenda) fez com a Fabiola foi uma das coisas mais lamentáveis que já vi na vida. A sorte dele foi que o ouro veio. Mas, se porventura a eliminação para a Rússia tivesse acontecido muitas jogadoras falariam muito e com razão.

      Excluir
    2. É incrível como ela surgiu do nada e desapareceu completamente após Londres, né? Bizarro.

      Excluir
  16. Pra mim a Copa do Mundo é um torneio importantíssimo pois vale 100 pontos no ranking mundial, que é a mesma pontuação da Olimpíada no ranking. Além disso, a Copa do Mundo é o meu torneio predileto pois é de pontos corridos e todos jogam contra todos, não tem como escapar de nenhum adversário. Como é de pontos corridos qualquer set perdido pode fazer diferente no desempate e no resultado final. Japonesas, italianas, russas e cubanas já conseguiram conquistar o dificílimo título da Copa do Mundo, porém, brasileiras, holandesas, sérvias e americanas nunca conseguiram conquistar uma título de Copa do Mundo. A Copa do Mundo é um título que falta no currículo tanto dos EUA quanto do BRASIL no feminino. A seleção masculina do BRASIL já conquistou 2 Copas do Mundo, porém a feminina sempre morreu na praia. Portanto, acho que Kiraly vai com muita vontade de conquistar esse título no comando da seleção feminina dos EUA. Na Copa do Mundo de 2015 os EUA ficaram com o bronze, a Sérvia com a Prata e a China com o Ouro, conquistando seu quarto título de Copa do Mundo. A China já tem quatro Ouros em Copa do Mundo, EUA e Brasil ainda não tem nenhum! E isso não pode ficar assim!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc colou esse mesmo (bom) comentário em outra matéria tbm haha

      Excluir
    2. A Sérvia podia vir quente na Copa do Mundo desse ano, mais China, EUA, Itália e Brasil. O maior embate será entre sérvias e americanas. Bosko de um lado e Drews do outro. O conjunto americano vem amadurecendo. Creio que tem grandes chances de dar EUA.

      Excluir
    3. Servia completa ainda é mais time que o americano. Assim como Maja mudou a cara da Sérvia a Glass, que não volta mais como jogadora, faz uma falta ENORME nos EUA. As levantadoras atuais são boas mas não dão 1/3 da Glass. Imaginem o inferno que seria Akin, ela e a Drews? Há males que são para o bem. Hahahaha

      Excluir
    4. Itália não participa da Copa do Mundo. Quem pegou a segunda vaga europeia foi a Holanda que está na frente no ranking da FIVB.

      Será que a Carlini deixa a Lloyd de fora de Tóquio? Hancock é de longe a melhor levantadora americana, mas não duvido o Kiraly cortá-la da Olimpíada por questões de panela.

      Excluir

Postar um comentário

Oi, gente!

Obrigado por comentarem aqui, mas peço que vocês façam isso com respeito para mantermos um nível de discussão agradável. Ofensas pessoais à jogadoras e a outros membros não serão aceitas. É um prazer voar com vocês! ;)