Copa do Mundo: torneio não classificará à Olimpíada e terá 11 jogos para cada seleção

A Federação Internacional de Voleibol (FIVB) divulgou hoje (04) os participantes e mais detalhes sobre a Copa do Mundo 2019, torneio que acontecerá no Japão entre 14 e 29 de setembro, no sistema tradicional de todos contra todos, sem semifinal e final. 

Nenhuma vaga!

Várias novidades compõem a "nova" Copa do Mundo, sendo a principal delas a perda do título de competição classificatória à Olimpíada. Até 2011, a Copa do Mundo dava aos seus três primeiros colocados o direito de participar dos Jogos Olímpicos no ano seguinte. Essas vagas foram reduzidas a duas em 2015 e extintas agora em 2019. A data também foi alterada, já que normalmente o torneio acontecia em novembro, mas foi necessária a readequação devido à disputa do qualificatório mundial. 

Campeã e vice da Olimpíada do Rio, China e Sérvia garantiram suas vagas na Copa do Mundo 2015 (Foto: FIVB)

Como as equipes se classificaram?

A qualificação à Copa do Mundo também mudou: antes as confederações continentais tinham autonomia de decidir como distribuiriam suas vagas. Em 2015, a CSV (América do Sul) e a Norceca (Américas do Norte, Central e Ilhas do Caribe) optaram por realizar torneios que valiam vaga, enquanto a CAVB (África) decidiu dar vaga ao seu campeão continental. Já a CEV (Europa) e a AVC (Ásia e Oceania) decidiram dar vagas aos melhores colocados no ranking, a CEV em seu ranking continental e a AVC das melhores no ranking mundial.

Agora, a FIVB decidiu: se classificarão as duas melhores seleções de cada confederação no seu ranking, a sede e os atuais campeões mundiais. A sede é o Japão, a Sérvia é a atual campeã mundial, China e Coreia representarão a AVC, Camarões e Quênia jogarão pela CAVB, Rússia e Holanda são determinadas pela CEV, Estados Unidos e República Dominicana defenderão o bloco da Norceca e Brasil e Argentina são os melhores da CSV. Uma observação importante é que se a a CEV usasse seu ranking como em 2015, a classificada seria a Itália e não a Rússia.

Alteração no formato de qualificação deu vaga à Rússia e deixou de fora a Itália (Foto: FIVB)

Maratona desgastante!

Que tal cinco rodadas da Liga das Nações, de maio a julho, viajando todas as semanas com rotas como Itália - EUA - China, jogando um número de 15 a 19 jogos. Depois disso, no início de agosto as seleções jogam o qualificatório olímpico, que é pequeno, mas vale muito! Aí vêm os campeonatos continentais, o Europeu começa ainda em agosto e vai até 8 de setembro. Seis dias depois começa a pouco útil Copa do Mundo.

Distância e número acentuado de viagens tende a prejudicar países como Estados Unidos e Brasil (Foto: FIVB)

Mas o que vale a Copa do Mundo?

A Copa valerá pontos no ranking da FIVB e eles são importantes. Foi a falta deles que ajudou a rebaixar o Brasil de 1º para 4º (e os maus resultados, claro), Também vale dinheiro, mas poderia ser feita em qualquer momento do ciclo, em um momento menos afunilado, talvez no ano pós-olímpico. A pergunta a ser feita é: as seleções arriscarão a integridade física de suas atletas por dinheiro? Países como China, Estados Unidos e Brasil arriscarão seus elencos em um torneio sem relevância às vésperas da Olimpíada? Se jogarem as finais do Europeu, Rússia e Holanda levarão seus elencos principais para estrear no Japão seis dias depois? Fica o questionamento.

Brasil acabou prejudicado no ranking por não participar da Copa do Mundo em 2016, já que era sede da olimpíada (Foto: FIVB)

Comentários

  1. Times reservas para testar as seleções e construir melhor seus elencos para as Olimpíadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso pode ser feito na LNV 2019 e na 2020. Além de que enfraqueceria o campeonato e só Brasil, EUA e China têm condições de vencer com seus times reservas.

      Excluir
    2. Da pra testar bem nos torneios esse ano.O Ideal seria levar um grande numero de jogadoras e testar msm,observar como jogadoras mais jovens (Mayhany,Tainara,Gabi Candido ,Lorenne,Juma natinha,Valquiria,Lana,)Reagem realmente participando e botar ra jogar as q estao em boa fase vide macris,Mara, Bruna,Bia q deu uma melhorada,Thaisa q vem crescendo e entre oytras, pra no ano olimpico ja ter uma base,ja q e dificil imaginar um time titular pra toquio

      Excluir
    3. Uma competição em que o Brasil de certeza vai ser representado com a equipe B é o Pan, pois bate com o Pré-Olímpico que é o principal torneio de 2019 por motivos óbvios.

      Excluir
    4. Além de que o Pan tem baixa relevância tb...

      Excluir
  2. Veremos se o Brasil ganha sua primeira Copa do Mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A COPA DO MUNDO é o meu torneio preferido por ser de pontos corridos e por todos jogarem contra todos.
      A COPA DO MUNDO é muito mais difícil do que o torneio olímpico.

      Excluir
    2. Se o técnico da República Dominicana não fosse o Kwiek, eu diria que o Brasil teria sérios problemas no qualificatório olímpico... Mas Kwiek consegue tombar as dominicanas... O mesmo eu não posso dizar da Coréia do Sul já que o competente Stefano Lavarini será o técnico! Foi a melhor contratação que a Coreia do Sul fez!
      O Zé deveria jogar a Liga das Nações com um time B. O time A deveria disputar os Jogos Pan-Americanos, o Qualificatório Olímpico e a Copa do Mundo. A Liga das Nações que é o torneio mais longo, com mais viagens e mais desgastante deveria ser com time B.
      Adoro Jogos Pan-Americanos e a Copa do Mundo.
      Acho que os qualificatórios olímpicos são desnecessários, deveriam ser usados os torneios continentais (Europeu, Sul-Americano, Norceca, Asiático e Africano) como forma de classificação às olimpíadas sem a necessidade desses Qualificatórios que a FIVB inventou.

      Excluir
    3. A Rússia sediará o Pré-Olímpico e terá como principal adversário a Coreia do Sul. Estou torcendo para Kim e cia conquistarem a vaga a fim de que as russas penem no Classificatório Europeu.

      "O Zé deveria jogar a Liga das Nações com um time B. O time A deveria disputar os Jogos Pan-Americanos, o Qualificatório Olímpico e a Copa do Mundo."

      Pan e Pré-Olímpico batem nas mesmas datas.

      Excluir
  3. A OLIMPÍADA é o torneio mais difícil por já ter mata-mata a partir das quartas. Nunca que round-robin é pior que isso. Tem tbm o sistema de classificação que precisa ser considerado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. *Classificação para poder disputar a Olimpíada.

      Excluir
    2. Cara já ia escrever o mesmo, ou alguém acha que Rússia de 2012 e Brasil de 2016 ficariam atrás de Japão e Coréia de 2012 e Holanda e Sérvia de 2016?
      Rússia e Brasil tiveram a infelicidade de perderem no detalhe para as seleções campeãs olímpicas, jamais me conformarei com àquela derrota para as chinesas em 2016, mas perdemos aquele jogo no segundo set com aqueles erros bizarros da Natália e a inexperiência internacional da Léia que deixou cair várias bolas bobas em todo o jogo. O certo seria Léia na recepção e Brait na defesa, me pergunto o que a Adenizia foi fazer na Rio 2016, já estava de bom tamanho o combo de 2012.

      Excluir
    3. Rio 2016 foi o maior erro da carreira do ZRG. Eu nunca vi de novo aquele jogo contra a China, aff. Acredito que a Adenízia teria voltado de boa para a seleção em 2017 se tivesse sido cortada da Rio por causa do ouro em Londres. Com isso, ainda teríamos a Brait na seleção. Mas não, o paneleiro preferiu levar QUATRO centrais em um time de 12 atletas sendo que já tínhamos Fabiana, Thaísa e Juciely.

      Excluir
    4. O correto e justo seria usar Léia e Brait se revezando nas Olimpíadas do Rio/2016. Léia como líbero-passadora e Brait como líbero-defensora, da mesma forma que o SESI usa MURILO no passe e PUREZA na defesa e o FIAT/MINAS usa o ROGERINHO no passe e o MAIQUE na defesa.
      O duplo corte seguido de Brait em Londres/2012 para levar Natália sem condições de jogo e no Rio/2016 para levar a "quarta central", foram os 2 cortes mais injustos que eu já vi na minha vida! Brait não merecia nenhum dos dois cortes! Se eu fosse a Brait deixaria bem claro que não voltaria à seleção enquanto o Zé fosse o técnico!

      Excluir
    5. E quem se ferra é o torcedor pelas panelinhas que o ZRG forma. Espero que esse ano ele tome vergonha na cara e deixe fora da seleção principal Suelen e Gabiru. Dá pra testar a Natinha na VNL, por exemplo. A Brait não deve voltar mesmo, o que é uma pena.

      Excluir
    6. Eu não entendi o comentário sobre a Olimpíada ser o torneio mais difícil. Sim, ela é, com certeza.

      Excluir
    7. Alguém postou que a Copa do Mundo era o torneio mais difícil. Daí eu falei que era a Olimpíada por ter mata-mata desde as quartas e isso ser bem pior do que round-robin. Ficou mais claro agora?

      Excluir
    8. Fora que a Olimpíada é o torneio mais difícil de se classificar como eu disse acima.

      Excluir
    9. Ah sim, é porque vc respondeu em um novo comentário e eu fiquei confuso. Mas concordo com vc, mesmo porque é o auge do ciclo quadrienal.

      Excluir
    10. Exato. Eu discuti com vários despeitados aqui ano passado que insistiam na teoria de que Mundial é mais importante que Olimpíada sendo que o vôlei é pautado em ciclos OLÍMPICOS de 4 anos.

      Excluir
  4. A única coisa que eu não entendi no ranking da FIVB é por qual razão eles mantiveram os pontos do GP 2017 e não atualizaram no lugar as pontuações obtidas na VNL 2018.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não tinha notado, mas se entendi bem, os pontos do GP 17 valerão até 2020.

      Excluir
    2. Mas isso não faz sentido algum. VNL é feita todo ano e as pontuações de cada edição devem contar nas atualizações do ranking da FIVB. Fora que o nome 'GP' nem existe mais.

      Excluir
    3. Pelo que entendi o ranking considera a competição mais importante nos últimos quatro anos. Ou seja: Copa do Mundo 2015, Olimpíada 2016, Grand Prix 2017 e Mundial 2018.

      Os demais GP/LNV não contam. Não faz sentido mesmo, mas no masculino tb é assim. Incrível como a Copa dos Campeões é irrelevante...

      Excluir
    4. Sim. Faria mais sentido que no lugar do GP 17 fosse atualizada cada edição da VNL no ranking, né? Mas enfim, coisas da FIVB.

      A Copa dos Campeões é bacana de acompanhar - a de 2017 foi bem interessante nos dois naipes -, mas é claramente um torneio caça-níquel da FIVB.

      Excluir
  5. Amigos do TOFLY, considero um tremenda de uma sacanagem da FIVB pôr esse Qualificatório Olímpico Ridículo em choque de datas com os Jogos Pan-Americanos! Adoro os Jogos Pan-americanos pois é um torneio Poliesportivo nos mesmos moldes das Olimpíadas! Apoconei-me pelos Jogos Pan-Americanos quando acompanhei Pan do Rio-2007 e depois as Olimpíadas-2016!
    O clima dos Jogos Pan-americanos é fantástico, onde atletas de esportes e modalidades diferentes se misturam, confraternizam e torcem uns pelos outros!
    Essa palhaçada que a FIVB dez de pôr o Qualificatório chocando com o Pan-americano é um tremendo desrespeito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, aconteceu isso mesmo.

      Vôlei no Pan 2019: 2 a 11 de agosto;
      Pré-Olímpico: 2 a 4 de agosto.

      No Pan 2015, foi um time mesclado pq bateu com o Grand Prix. Esse ano vai uma equipe reserva inteira mesmo.

      Excluir
    2. Inclusive o time que conquistou a PRATA nos Jogos Pan-Americanos/2015 com Jaqueline, Fê Garay, Camila Brait e Macris foi mais forte que o do Grand Prix. Porém, em 2019, teremos esse Qualificatório Olímpico inoportuno na data dos Jogos Pan-americanos? Quem foi o idiota da FIVB que fez isso?
      Pra mim, esses qualificatórios são totalmente fora de hora e desnecessários.
      A FIVB poderia usar os Torneios Continentais como Qualificatórios Olímpicos sem a necessidade de "sabotar" os Jogos Pan-americanos!

      Excluir
    3. É ruim quando batem as datas das competições. O interessante mesmo do Pré-Olímpico será ver o desempenho das seleções europeias. Sérvia terá um pouco de trabalho contra a defesa tailandesa e jogará contra e na Polônia (será que a Wolosz volta esse ano pra seleção?), mas deve se classificar. A Rússia decidirá a vaga em casa contra a Coreia do Sul e a mesma coisa acontecerá com a Itália em relação à Holanda. Daí o Classificatório Europeu em janeiro de 2020 será emocionante de verdade, pq várias seleções boas do continente sobrarão e disputarão apenas uma vaga para Tóquio.

      Excluir
    4. O Pan não é uma competição da FIVB, então ela não está se importando com ele haha. O problema gente é que há várias competições continentais: Jogos Europeus, Jogos Asiáticos, Jogos das Nações, Jogos do Mediterrâneo... Se a FIVB ceder pelo Pan, teria que ceder por esses também.

      Excluir
    5. Jogos das Nações? Que torneio é esse?

      CEV, CSV etc fazem parte da FIVB. Logo, essas confederações continentais teriam que estar mais atentas em relação às datas das competições internacionais. Mas não é isso que acontece, cada um pensa em si e os atletas se ferram pela proximidade das datas entre os diversos torneios.

      Excluir
    6. Deixa eu me corrigir "Campeonato das Nações Africanas" é o campeonato continental, da CAVB, o que é reconhecido pela FIVB. Eu queria me referir ao All-Africa Games, conhecido por aqui como Pan-Africano e organizado pela União Africana (UA) com a Associação dos Comitês Olímpicos da África (ANOCA). Desculpe.

      E o caso do Pan-Africano é o mesmo do Pan-Americano: não é incumbência direta da CAVB e da CSV com a Norceca. Por isso os calendários não batem. Mesma coisa de Montreux.

      Excluir
    7. Ah, sim. As informações sobre o vôlei africano não são bem difundidas no geral.

      Excluir
    8. Infelizmente não... Falta recursos. A maioria das equipes e seleções do país joga na terra ou na grama, acredita?

      Excluir
    9. Infelizmente, isso não surpreende \:

      Excluir
  6. Segundo a CSV, o Sula acontece entre 28 de agosto e 1º de setembro em Lima no Peru. Vai ser basicamente um treino para o Brasil duas semanas antes da Copa do Mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu iria com a seleção B para o Sula e jogaria a Copa com um time de titular a misto. Mas antes deixaria um time misto na LNV.

      Excluir
    2. A minha composição para 2019 fica assim:

      VNL - time misto com o foco em testes de jogadoras como a Macris de titular (coisa que o paneleiro não deve fazer, mas enfim);
      Pan - time B pela competição em si e pelo choque de datas com o Pré-Olímpico;
      Pré-Olímpico - time principal por razões óbvias;
      Sula - time misto entre a seleção A (mais treinamento para a Copa do Mundo) e seleção B (mais oportunidades e rodagem);
      Copa do Mundo - time principal apenas pelo ranking.

      Excluir
  7. A COPA DO MUNDO pra mim é um torneio importantíssimo pois um Grand Slam do Vôlei, assim como Roland Garros é um Grand Slam do Tênis.
    A COPA DO MUNDO dá 100 pontos ao Campeão, os mesmos 100 pontos de quem é Campeão Olímpico!
    Logo a Copa do Mundo é importantíssima pra se manter no Topo do Ranking! E o ranking é importantíssimo pra participação e distribuição das chaves em todos os torneios da FIVB!
    Vencer A Liga das Nações(novo nome do Grand Prix) dá apenas 50 pontos no ranking, enquanto a COPA DO MUNDO dá 100.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As seleções EUROPEIAS, ASIÁTICAS e os EUA sempre levam força máxima à COPA DO MUNDO, que vale 100 pontos no ranking, mas usam a Liga das Nações(GP) como laboratório revezando seus times!
      Só mesmo o Zé Roberto que mantém um time titular durante toda a Liga das Nações, ao passo que Terzic e Lang Ping, finalistas olímpicos, usam a Liga pra fazer testes e dar rodagem às suas jogadoras.
      Vale muito mais ganhar uma COPA DO MUNDO do que uma Liga das Nações, tanto que Lang Ping foi OURO e Terzic foi PRATA ba última Copa do Mundo em 2015.
      Até agora, apenas JAPONESAS, CHINESAS, RUSSAS, ITALIANAS e CUBANAS conseguiram conquistar a COPA DO MUNDO.
      Seleções como SÉRVIA, HOLANDA, EUA e BRASIL ainda não tem um título de COPA MUNDO, e o Zé Roberto tem que por na cabeça que não adianta ter 10 títulos de Liga ou GP e não ter nenhum título de Copa do Mundo! Além do que, ir bem na Copa do Mundo dá muito moral pra Olimpíada no ano seguinte, visto que China e Sérvia foram Ouro e Prata na Copa do Mundo e repetiram o Ouro e Prata na Olimpíada.

      Excluir
    2. E é pela pontuação no ranking da FIVB que o ZRG deve - e precisa - levar a seleção principal para a Copa do Mundo. Como éramos a sede da Rio 2016, não participamos da Copa do Mundo de 2015. Logo, a pontuação do Brasil nessa competição no ranking atual é da edição de 2011 em que ficamos em 5º lugar.

      O intervalo do Sula para a Copa do Mundo é de duas semanas, razoável. Quem se ferrou foram Sérvia e Holanda, pois o Europeu é um campeonato super disputado e acabará apenas 6 dias antes do início da Copa do Mundo.

      Excluir
    3. *Sérvia, Holanda e Rússia.

      Excluir
    4. Mas essa é a minha crítica à FIVB. Ok, a Copa do Mundo é necessária - mas por que em ano pré-olímpico se ela não dá vaga? Que ela seja feita nos tenebrosos anos pós-olímpicos! Chegamos a 2019 com um calendário super apertado e na minha opinião, este deveria ser o ano de toda a disputa qualificatória para Tóquio.

      A LNV não deu pontos ainda no ranking, considera-se os do GP 2017 até então.

      Excluir
    5. Talvez se colocasse a Copa do Mundo no primeiro ano do ciclo e a Copa dos Campeões no terceiro seria uma boa solução para isso? A Copa do Mundo não dá mais vaga para a Olimpíada só partir dessa edição, pq o Japão é a sede dos Jogos em 2020. Será que para Paris 2024 a Copa do Mundo - que todo vez acontece em terras nipônicas - não volta a classificar para a Olimpíada? Daí faz sentido mantê-la em 2023.

      Excluir
    6. Os classificatórios continentais para as Olimpíadas acontecerão em janeiro de 2020. E isso pode afetar com os campeonatos nacionais. Há a possibilidade de Guidetti e Lavarini, por exemplo, terem que se dividir entre clube e seleção nesse período.

      Excluir
    7. Exatamente, gente. Se a Copa fosse em 2021, todos os qualificatórios poderiam ser em 2019 e não levaríamos essa carga para 2020. Os técnicos e as jogadoras né? Imagine que uma Kim, uma Cansu, uma Smarzek ou uma Boskovic deixando seus times no meio do campeonato? Afeta muito.

      Acho que o ideal do ciclo é:
      20 - Olimpíada
      21 - Copa do Mundo
      22 - Mundial
      23 - Copa dos Campeões

      Invertendo as copas.

      Excluir
    8. "Exatamente, gente. Se a Copa fosse em 2021, todos os qualificatórios poderiam ser em 2019 e não levaríamos essa carga para 2020."

      Se a Copa do Mundo fosse em 2017 você quis dizer, né? Pq daí esse ano teria a Copa dos Campeões que é bem mais de boa, privilegiando assim a classificação da Olimpíada.

      O Classificatório Europeu que vai pegar fogo em janeiro de 2020 acontecerá no meio dos campeonatos nacionais e da Champions. Péssimo para todos. Sérvia, China, US e Brasil devem se classificar direto, sobrando assim Polônia, Turquia, Bulgária e Azerbaijão. Rússia pode sobrar se perder para a Coreia do Sul e Itália ou Holanda terão que disputar o Classificatório Europeu. Vai ser interessante acompanhar isso tudo.

      "Acho que o ideal do ciclo é:
      20 - Olimpíada
      21 - Copa do Mundo
      22 - Mundial
      23 - Copa dos Campeões

      Invertendo as copas."

      Faz sentido isso, principalmente se a próxima edição da Copa do Mundo continuar não dando vaga para a Olimpíada.

      Excluir
    9. "Se a Copa do Mundo fosse em 2017 você quis dizer, né? Pq daí esse ano teria a Copa dos Campeões que é bem mais de boa, privilegiando assim a classificação da Olimpíada"

      Sim, mas eu falei pensando no futuro pq em 2017 já teve Copa dos Campeões haha.

      Excluir
    10. Hahaha Eu entendi!

      Excluir
  8. Na minha opinião, a Natália deve pular a VNL - ou jogar apenas o Final Six - para estar bem no Pré-Olímpico e na Copa do Mundo. A tendinite no joelho dela é crônica e merece muito repouso e fisioterapia antes de tudo. Não dá pra repetir os erros de Londres 2012 e do Mundial do ano passado levando a atleta estropiada para as competições.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o ZRG tem que esquecer a Natália como titular por enquanto e focar no pré-olímpico: esse é o mais importante. Além de que precisamos de uma outra ponteira de definição para substituí-la eventualmente. Garay (se voltar, mas acho que vai) e Gabi devem dar conta e tem a Drussyla ainda.

      Excluir
    2. Sim, a Natália tem que estar inteira no Pré-Olímpico, esse deve ser o foco. Mas estamos falando de ZRG, né?

      Garay precisa jogar todas as competições importantes se quiser Tóquio 2020. Ela não foi bem no Mundial ano passado justamente pq ficou muito tempo parada. Fará 33 anos em maio e precisa estar sempre ativa para manter o alto nível.

      Torço para a Drussyla se recuperar totalmente ainda nessa SL. Precisaremos dela na VNL. Na edição do ano passado, as lesões das ponteiras deram muita dor de cabeça.

      Excluir
  9. A coisa mais idiota dessa FIVB é ter um Campeonato Europeu, um Asiático, um Sul-americano etc... no final de 2018 e, logo em seguida, em Janeiro de 2019 terem outros qualificatorios continentais.
    Pra que isso?
    Pra mim se classificariam para as Olimpíadas:
    Sede: Japão
    Campeã Olímpica: China para defender seu título.
    Campeão e Vice do Europeu
    Campeão e Vice do Asiático
    Campeão e Vice da Norceca
    Campeão e Vice do Sul-americano
    Campeão Africano
    E se faria uma repescagem entre o Vice Africano e o Terceiro Colocado da Europa e pronto!
    Desnecessários tantos qualificatórios!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por exemplo, considerando os atuais Campeões e Vice Continentais estariam classificados às Olimpíadas:
      Sede: Japão
      Campeã Olímpica: China
      Europa: Sérvia e Holanda
      Ásia: Tailândia e Korea
      Norceca: EUA e Rep. Dominicana
      América do Sul: Brasil e Colômbia
      África: Camaroes
      Repescagem: Turquia x Kênia, lógico que a Turquia se classificaria.

      Excluir
    2. Os campeonatos continentais acontecem mais pro final de 2019 e os classificatórios de cada continente para a Olimpíada em janeiro de 2020.***

      E pq, na sua visão, os vices continentais deveriam se classificar diretamente para Jogos Olímpicos, excluindo apenas a África? A NORCECA, fora o US, tem um nível de vôlei bem baixo tbm.

      Excluir
    3. Os continentais são no ano do pré-olímpico hahaha. Então, mas o problema é a autonomia dos continentais. Eles são campeonatos independentes do qualificatório olímpico.

      Com a nova regra, o que vc disse não poderia ser aplicado. Isso porque o qualificatório mundial precede os continentais. Então, vejamos, se 4 países europeus se classificam no PO e são justamente esses os 4 semifinalistas do Campeonato Europeu. Quem fica com a vaga? Em teses, do 5º ao 8º lugar as seleções estariam no mesmo patamar.

      Pior: se 5 seleções europeias se classificassem no PO. 4 delas seriam semifinalistas e uma dessas já classificadas jogaria pelo 5º lugar do Europeu. Que estímulo ela teria? Já classificada está classificada à olimpíada... Isso beneficiaria seu rival. Entende?

      Excluir
    4. Sim, sempre há dois campeonatos continentais no ciclo e sempre um bate no ano do Pré-Olímpico. E faz sentido esses exemplos que você deu entre PO e CC.

      Excluir
  10. E pq colocaram Montreux na mesma semana da final da Champions? Os dois campeonatos acabam dia 18 de maio e a VNL começa apenas 3 dias depois. O calendário da FIVB é completamente absurdo.

    Em Montreux ainda dá pra relevar a falta do desafio, pq isso acontece tbm em outros campeonatos como o Sula. Mas as bolas batendo direto no teto daquele ginásio baixo é o fim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Montreux é um campeonato completamente desnecessário em anos como este. Com certeza só jogarão as seleções B.

      Excluir
    2. Nem Montreux, nem Champions League são torneios da FIVB:
      -Montreux Volley Masters é um torneio da Confederação Suíça de Voleibol;
      -Champions League é um torneio da CEV(Confederação Europeia de Voleibol.
      O que é absurdo por parte da FIVB é termos. Campeonatos Europeu, Sul-americano, Africano, Asiático e da Norceca no final de 2019 e logo em seguida Pré-Olímpicos Europeu, Sul-americano, Africano. Asiático e da Norceca em Janeiro de 2020.
      É muito desgaste das jogadoras ficar perdendo tempo com qualificatórios pré-olímpicos continentais sendo que essasvagas já poderiam ter sido definidas nos Campeonatos Continentais.
      O que a FIVB não deveria fazer é estragar uma competição do tamanho dos Jogos Pan-americanos marcando um qualificatório imbecil pra mesma data!

      Excluir
    3. Óbvio que a prioridade são as finais da Champions League que é um torneio dos clubes mais ricos do Mundo do que a Montreux que é um torneio que a Confederação Suíça organiza como forma de promover o voleibol dentro da Suíça.

      Excluir
    4. Eu não sei o que a Suíça ganha com Montreux. Desde 1993 ela sequer chega a uma semifinal e tem anos em que ela nem participa.

      Tem uma diferença grandona entre Montreux e a Champions. Montreux é um 'convite' a federações, um torneio amistoso. A Champions é o mais importante torneio interclubes do mundo. Não é realizado pela FIVB mas é realizado por uma de suas cinco confederações continentais, além de servir como classificatório para um de seus torneios, o Mundial de Clubes.

      Excluir
    5. E desculpa gente, mas o que o Pan tem de relevante? RDOM? Cuba? Canadá? Ao fim ao cabo sabemos que a final será entre Brasil e EUA, ainda que usem times B.

      Excluir
    6. 8 americanas jogam a Champions

      Quase todas as italianas e as turcas

      5 servias

      E as russas do d.moscou

      Excluir
    7. Mas somente a final será em 10/05, ou seja, só dois times jogarão. Eu acho que os grupos de Itália e Turquia em Montreux serão com jogadoras que não estarão no top 4 de seus campeonatos.

      A Itália deve abusar da meninada: Fahr, Nwakalor, Pietrini, Lubian; além de jogadoras que não devem jogar os playoffs: Cambi, Mingardi, Nicoletti, Loda, Sirressi.

      A Rússia fará com certeza a mesma coisa, dando folga aos semifinalistas. A Turquia também, vai levar um time bem chinfrin (mesmo porque pelo menos um dos gigantes turcos deve chegar à final).

      Excluir
    8. A final da Champions será dia 18/05 (mesmo dia do fim de Montreux): https://www.cev.eu/Competition-Area/competition.aspx?ID=1119&PID=1619

      3 dias depois começa a VNL. o_o

      A Rússia não joga Montreux esse ano, assim como o Brasil (ainda bem). Zhu e Goncha não devem vir pra cá na primeira semana da VNL.

      Excluir
  11. Canada, EUA, Cuba e República Dominicana são melhores que qualquer time africano

    A ideia do anônimo da quase o mesmo, basicamente as mesmas classificação.
    Para mim as classificadas serao:

    Japão
    Tailândia
    China
    República Dom.
    EUA
    Brasil
    Colômbia
    Holanda
    Italia
    Russia
    Servia
    Camaroes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu falei NORCECA - exceto - US, mas enfim. É claro que os times da NORCECA jogam mais que os da CAVB, mas no contexto apresentado dos vice-campeões não faz sentido excluir apenas o africano da classificação direta.

      Excluir
    2. O sentido se faz a partir do momento que a Confederação Africana é a pior colocada no ranking da FIVB, mas se o Vice Africano Kenya fosse capaz de ganhar na repescagem do Terceiro colocado Europeu, o Kenya estaria na Olimpíada. Apesar de eu achar muito improvável o Kenya ganhar da Turquia...

      Excluir
    3. No final de tudo, independente do sistema de classificação utilizado, vai ser difícil mais de uma seleção africana disputar a mesma Olimpíada. Espero que um dia isso se torne realidade.

      Excluir
    4. Também espero... Mas pra isso as Confederações Africanas de Voleibol tem que ser mais organizadas para que o voleibol possa evoluir por lá, afinal material humano, tipo físico e potencial para o voleibol, os africanos tem de sobra. Basta ver as jogadoras dominicanas como a Peña Isabel, a Brayelin Martinez e a De La Cruz que são AFRO-DESCENDENTES e tem um potencial incrível para o vôlei!

      Excluir
    5. Sim, faltam divulgação e investimento no vôlei africano.

      Foluke tem cidadania nigeriana, além da americana e canadense.

      Excluir
    6. Falta dinheiro para o continente africano, não só para o esporte :/

      Excluir
  12. TO FLY e amigos do blog, o que eu acho é que não deveria haver torneios Qualificatórios Pré-Olímpicos nenhum!
    Ao meu ver, as vagas olímpicas deveriam ser distribuídas no Campeonatos Continentais.
    Esses Pré-Olímpicos não valem títulos e só servem pra desgastar as jogadoras, em vez de preservá-las para torneios que realmente valem títulos como os Campeonatos Continentais.
    Para as Olimpíadas a minha proposta é que se classificassem as equipes da seguinte forma:
    1. País Sede: Japão
    2. Último Campeão Olímpico defendendo seu título: China
    3 e 4: Campeão e Vice da Norceca: EUA e República Dominicana
    5 e 6: Campeão e Vice Sul-americano: Brasil e (Argentina ou Colômbia)
    7 e 8: Campeão e Vice Asiáticos: Tailândia e Korea (Japão e China já classificados como Sede e Campeão Olímpico)
    9 e 10: Campeão e Vice Europeus
    11: Campeão Africano: Camarões
    12: Repescagem entre a Terceira Colocada da Confederação mais bem classificada no Ranking( no caso, a Europeia) e o Vice-campeão da Confederação pior colocada no Ranking (no caso, a Africana).

    Dessa forma, a FIVB valorizaria mais os Campenatos Continentais e evitaria esses qualificatórios desgastantes.
    A única diferença é que o terceiro colocado do Campeonato Europeu teria a chance de se classificar disputando uma repescagem contra o Vice-campeão Africano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Considerando a proposta acima e os atuais Campeões e Vice Continentais teríamos:
      -Uma repescagem entre Turquia e Kênya, com provavelmente a Turquia se classificando, de modo que teríamos as seguintes equipes classificadas:
      1. Japão 2. China 3. Sérvia 4. Holanda 5. Turquia 6. EUA 7. República Dominicana 8. Tailândia 9. Korea 10. Brasil 11. Colômbia 12. Camarões

      Excluir
    2. Não sei se eu gosto da ideia de extinguir os qualificatórios, mas eles realmente não são imprescindíveis e poderiam resgatar a vaga dos campeonatos continentais.

      Entretanto, eu discordo de você quanto a esse sistema. Acho que deveria ser igual para todos, tipo: sede + campeões continentais = 6 vagas.

      Aí sim fazer o PO Mundial com 6 grupos das 24 melhores seleções restantes do ranking.

      Excluir
  13. Em relação aos qualificatórios, os confrontos mais interessantes serão:
    - Sérvia x Polônia, se a Polônia jogando em casa puder contar com Woloz, Skowronska, Smarzek, Kaolewska e Efimienko, pode fazer frente à Sérvia;
    - Rússia x Korea, com o excelente Stefano Lavarini no comando da Korea, a Rússia pode ser derrotada em casa, quem sabe?
    - Brasil x República Dominicana x Azerbaijão, mesmo que o Brasil perca pra alguma dessas equipes, as brasileiras não terão nenhuma dificuldade de se classificar no Pré-olímpico Sul-americano.
    - Itália x Holanda, mesmo jogando em casa a parada é duríssima pra Itália, a Holanda tem totais condições de se classificar...
    - China x Turquia x Alemanha, é difícil derrubar a China dentro de casa, mas será que as europeias conseguiriam?
    - EUA x BULGÁRIA, não creio que as búlguras aprontem alguma coisa contra as americanas, mas esse seria o confronto chave desse grupo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que a Skow não volta mais pra seleção.

      O jogo mais imprevisível será Itália x Holanda. Italianas erram muito e holandesas são super instáveis. A única vantagem da Itália é jogar em casa e só (o que é uma injustiça já que a Holanda é a mais bem ranqueada no grupo).

      Excluir
    2. Skowronska não volta mais. Eu sinceramente não acredito que a Polônia possa bater a Sérvia. Não existe uma só posição em que a Polônia é superior e ainda tem as ponteiras muito mais fracas.

      Acredito ainda que Brasil, EUA e até a Rússia passarão sem dificuldades. A China é quem mais deve sofrer, Turquia e Alemanha não são seleções para se brincar. Acho que elas passam da Alemanha, mas as turcas darão trabalho.

      Eu já cravo minha aposta na Itália contra a Holanda.

      Excluir
    3. Sim, a Sérvia deve passar direto e as ponteiras da Polônia são mesmo bem ruins. Se a Wolosz voltar pode desafogar um pouco a Smarzek forçando mais o jogo com as centrais.

      Será que a Coreia do Sul não apronta pra cima da Rússia? Queria ver as russas penando no Classificatório Europeu KKK.

      Eu já acho que a China, jogando em casa, não dará chances para Turquia e Alemanha. Não será fácil para as chinesas, mas nada que ameace a classificação direta.

      Se a Holanda jogar como fez na partida contra o US no Mundial, pode incomodar a Itália.

      Excluir
    4. As semis da Holanda contra a Sérvia no Mundial e contra a China na Rio 2016 foram super disputadas. O problema é que as holandesas têm um emocional muito instável.

      Excluir
    5. É só lembrar o jogo da Holanda contra a China no GP 2017 que nos salvou KKK.

      Excluir
    6. Mas eu vejo a Egonu explodindo em 2018 e hoje ela tá muito a frente da Sloetjes. Acho que mesmo com a Malinov decadente, a Dijkema também está mal haha. A Itália ainda tem mais pontas, Sylla, Bosetti's, Pietrini... Vejo a Itália bem a frente.

      Excluir
    7. Sim, mas ter o melhor time não significa certeza de vitória. É só ver o que aconteceu com a gente nas quartas contra a China na Rio 2016 \: Pra mim, Itália x Holanda será o melhor jogo do Pré-Olímpico.

      Excluir
  14. Coragem. A Holanda pode vencer a Itália sim.
    Pietersen, Daalderop e De Kruif voltando o time cresce e muitoooooooooo.
    Sera um time com um ótimo banco, coisa que elas nn tinham no Mundial e mesmo assim foram semifinalistas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tbm acho. Mas acredito que a Pietersen não volta e não sei qual a razão do Morrison deixá-la de fora.

      Excluir
    2. Ela poderia voltar ano passado depois da pausa para os estudos, mas isso não aconteceu. Lembro dela na arquibancada vendo jogos na Holanda pela VNL. Outra troca incompreensível do Jamie foi a Stoltenborg pela Bongaerts no Mundial. No Final Six da VNL o técnico levou as duas mais a Laura o_o

      Excluir
    3. A Stoltenborg é a melhor tecnicamente e a Bongaerts é mais ousada, é a promessa. A Dijkema mescla os dois, mas o jogo dela é muito marcado. Entretanto ela é experiente. Morrison errou, Stoltenborg fez uma LNV excelente, acertou a china com a Belien de uma forma que nem a Laura e nem a Britt conseguiram. A Laura machucou a mão na reta final da LNV, por isso ele foi com 3 levantadoras haha.

      Não vejo a Pietersen na seleção... Mas deveria voltar. Daalderop dá um novo estímulo, já que a Buijs está no banco para a promessa alemã. Mas cá entre nós, não adianta ter um grande time se a Dijkema continuar sendo burocrática na distribuição...

      Excluir
    4. Achas a Bongaerts ousada? Pra mim, o jogo dela é bem comum assim como o da Laura. Stoltenborg era um contraponto interessante e substituía bem quando a Dijkema dava as panes, como em vários jogos da fase classificatória na VNL.

      A Laura machucou a mão no jogo contra os Estados Unidos na segunda semana da fase classificatória na VNL. Segue o vídeo do momento em que ela se choca com a Sloetjes na defesa: https://www.instagram.com/p/BjJDnzEntlB/
      Na semana seguinte já estava jogando, não foi nada grave. O Morrison levou as três para o Final Six da VNL para se decidir qual seria a levantadora reserva no Mundial e não por causa da mão da Laura. Tanto que no jogo contra o Brasil a Bongaerts entrou e contra a China foi a Stoltenborg.

      Excluir
  15. Algo me diz que as coreanas vencerão as russas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tbm cogito muito essa possibilidade.

      Excluir
    2. Acham mesmo que Goncharova, terceira melhor oposta da Europa, Parubets, que vive um grande momento na carreira, Voronkova, punho de ferro, e as centrais verdadeiras muralhas, deixarão as coreanas vencerem??? Hahahahahaha coragem!
      Gente, não sei se vocês viram o Mundial, mas a Rússia não é mais a mesma, estão defendendo bastante e variando mais as jogadas, incomodaram até as americanas.

      Excluir
    3. Goncha é uma ótima oposta, mas não dá conta de carregar a Rússia sozinha. E ela tá longe do auge da carreira que aconteceu no começo dessa década.

      Fica super claro que o nível do vôlei russo atual é o pior em décadas quando a Parubets é considerada a melhor ponteira do país hahaha. Ela é uma Amanda com um pouco mais poder de ataque e só.

      Voronkova tem um ataque forte mesmo, mas fica muito no block e é uma PÉSSIMA passadora, assim como a Kosheleva. O resultado é que ainda duas atletas têm que cobrir basicamente a quadra toda no passe.

      Koroleva, Fetisova e Efimova são centrais regulares e só.

      A Rússia tem problemas para enfrentar o jogo rápido e a defesa de times asiáticos, assim como o Brasil. Se o Lavarini conseguir arrumar o time e tirar um pouco da pressão em cima da Kim, a Coreia do Sul tem chances sim de incomodar as russas na casa delas.

      No Mundial a Holanda bateu os Estados Unidos, mas no Pré-Olímpico pode levar um sacode da Itália. A mesma coisa pode acontecer com a Rússia em relação à Coreia do Sul. Seleção é momento. O Pankov melhorou o padrão do time russo? Sim, mas ainda é pouco.

      Excluir
    4. O que eu vi no Mundial foi a Rússia FORA do podium, só isso!!!

      Excluir
    5. Exato. A Holanda que é um time super instável tá na frente da Rússia há anos. E eu acho pouco essa decadência do vôlei russo pelas décadas em que as atletas jogaram entupidas de meldonium e outras substâncias proibidas. Karma nunca falha e espero que continue por muito tempo em relação às eslavas.

      Excluir
    6. Você e essa sua historinha de Meldonium, ninguém quer saber disso!!
      Rússia é potência, cresce nessas competições. Vocês é que torcem pela queda delas. Fiquem aí acreditando que elas vão perder só porque vocês querem, fiquem nesse sentimentozinho frustrado. Lavarini é bom, mas quem joga são as jogadoras, bjoss.

      Excluir
    7. Eu sabia que tava falando com o louco fanático que torce pra Whossia KKK. Ninguém quer saber de meldonium? A FIVB apenas PROIBIU o uso dessa substância. Se você não tem vergonha na cara de compactuar com doping eu não posso fazer nada.

      Rússia não é potência há anos, quanto mais cedo você aceitar isso melhor. Rússia cresce nas competições? Foi exatamente a mesma coisa que a Kosheleva falou antes da Rio 2016 e, no fim, acabou tomando um 25 a NOVE no 1º set das quartas contra a Sérvia HAHAHA.

      Frustação quem tem é a Gamova por ter se aposentado sem ouro olímpico. Justiça foi feita.

      Lavarini é o técnico, é óbvio que não joga. Mas é ele quem organizará o time da Coreia do Sul para tentar a classificação para Tóquio.

      Excluir
    8. Eu subestimei a Rússia no último ano, principalmente a Goncharova - e ela calou minha boca, veio jogando muito no Mundial. É injusto comparar a Ilchenko com a Amanda, com todo respeito à Amanda. A Ilchenko não só comanda o ataque do Uralochka como oposta passadora, como dividiu a responsabilidade com a Voronkova na ausência da Goncharova.

      Outra injustiça é comparar o passe da Kosheleva com o da Voronkova. Gente, a Voronkova é uma passadora muito boa! Tão boa que na temporada passada dividiu o passe com a Vasileva, escorando ninguém menos do que a Mammadova. Há anos a Rússia não vê uma ponteira na casa do 1m90 que passe bem.

      Outra coisa que me incomoda é as pessoas se referindo à Coreia como o time que só tem a Kim. Não é uma das favoritas do ciclo, mas tem a Lee que comandou a vitória sobre a China por 3 a 0 e seu time é líder do nacional, tem a Park que foi a segunda maior pontuadora da LNV e jogou um bom mundial, tem a Yang que é a melhor central do país e pontua bem.

      O que falta na Coreia é oposta. Por que? Porque os times só contratam opostas estrangeiras para jogar no campeonato nacional! Chega na seleção elas não sabem bater uma fundo-saída e isso não é brincadeira. As opostas coreanas são sempre improvisadas, ora a Park, ora a Kim HJ que é central.

      Excluir
    9. Voronkova é uma passadora muito boa? Discordo completamente. Ela teve péssima recepção em torneios como a Rio 2016 e o Europeu 2017. Ano passado melhorou um pouco com o Pankov, mas as quinas continuaram. Quem tem bom passe é a Krotkova que ficou de fora do Mundial, pq se lesionou seriamente em Montreux.

      Eu citei a Kim pq ela é a espinha dorsal do time sul-coreano. E o tempo não tá sendo bom com o jogo dela. Logo, mais do que nunca o Lavarini precisa dinamizar o time se quiser classificá-lo para Tóquio.

      Em que competição foi essa vitória contra a China por 3 a 0? A segunda maior pontuadora da fase classificatória da VNL foi a Martinez. A Park foi a quinquagésima e a terceira maior da Coreia do Sul. http://www.volleyball.world/en/vnl/women/statistics

      Excluir
  16. Se não vale nada, porque não retiram do calendário essa tal Copa do Mundo?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Oi, gente!

Nós agradecemos muito por vocês comentarem aqui. Mas precisamos pedir que vocês façam isso com respeito. Ofensas pessoais à jogadoras e a outros membros não serão aceitas. Torçam à vontade, a favor e contra seleções, times e jogadoras. Mas vamos manter essa ferramenta como uma caixa apropriada e divertida para conversarmos, ok? ;)

Obrigado pela colaboração de todos, é um prazer voar com vocês! <3