Busto Arsizio: um gigante italiano arrasado pela Covid-19

Os protetores de braços pretos e longos já são quase uma marca registrada da italiana Camilla Mingardi. A oposta de 23 anos os utiliza como acessórios indispensáveis e tem sido assim desde o final de 2016, quando surgiu para o grande público do Italiano como uma promessa, se destacando pelas altas pontuações, até de fato liderar esse ranking individual na Liga. 

Em outubro de 2020, Camilla teve a oportunidade de usar mais um protetor preto, mas com um design especial para sua carreira: a borboleta rosada de Busto Arsizio. O que pouca gente sabe é que Mingardi é fruto do Futura Volley, time juvenil do Busto Arsizio que disputa a A2 italiana.

Camilla Mingardi, maior pontuadora do último Italiano, estreou no time adulto do clube que a lançou (Foto: UYBA)


No auge de sua carreira e como maior pontuadora até a interrupção do último Italiano, a oposta selecionável tinha tudo para fazer um grande campeonato com um elenco de titulares selecionáveis, como a levantadora americana Poulter e a central sérvia Stevanovic.

O Busto começou bem e mesmo com pouco entrosamento, totalmente renovado, disputou o título do Italiano contra o gigante Conegliano. Início bom, mas meteórico, rapidamente o Busto foi de finalista a 11º colocado da melhor liga do mundo. 

A vilã poderia ser a incompetência do técnico, a fase ruim de alguma das jogadoras, as decisões de mercado. Mas a vilã que corrompe e derruba o Busto Arsizio tem nome e número: Covid-19.

Primeira onda: 4 positivos

O Busto Arsizio foi um dos times em todo o mundo que mais sofreu com a pandemia e também foi um dos primeiros italianos a paralisar suas atividades devido à doença. 

No dia 7 de outubro, três jogadoras do Busto testaram positivo para Covid-19: a levantadora Poulter, a ponteira Piccinini e a central Stevanovic. O então técnico Marco Fenoglio também foi infectado e assim, colocados em quarentena. Como medida preventiva, o jogo contra o Brescia no dia 14 foi adiado.

Testes não detectaram outros positivos e a LVF determinou que o Busto fosse ao próximo jogo, no dia 18 de outubro, mesmo com as quatro ausências. O adversário era um dos favoritos, o Scandicci e o Busto não resistiu, derrotado por 3 sets a 1.

O jogo adiado contra o Brescia foi remarcado para três dias depois, 21, sendo que o prazo final para o retorno das ausentes era no dia seguinte. O UYBA entrou novamente desfalcado, mas venceu por 3 a 1.

Lesão no tornozelo e Covid-19: Jordy Poulter sofreu longa ausência do Busto (Foto: UYBA)


Segunda onda: 3 positivos

Em 25/10, novamente o Busto teve um jogo adiado, agora por infecções do adversário, o Firenze. Assim, o UYBA completava mais de 20 dias sem jogar com sua equipe completa. Mas o pior ainda estava por vir.

Marcado para o dia 28/10, em Perugia, o jogo contra o dona da casa foi adiado. O motivo? Três novos positivos para Covid-19 no grupo do Busto Arsizio. A equipe já estava na casa do rival quando receberam os resultados e as jogadoras infectadas precisaram retornar para Busto de forma independente e separadas do restante do time.

O desespero tomou conta do time. O presidente do Busto, Giuseppe Pirola, chegou a dizer que poderia aplicar uma quarentena opcional para erradicar a doença e garantir a saúde das atletas, ainda que isso lhe custasse algumas derrotas por W.O. 

Aguardando resultados de testes, o Busto teve adiado o jogo contra Casalmaggiore e suas atletas se mantiveram em isolamento entre os dias 28/10 e 02/11. A liberação saiu naquele sábado, 2, quando os testes deram negativos para todas as atletas do Busto - mas não para as do Chieri e as borboletas somaram três jogos adiados.

Presidente do Busto Arsizio chegou a cogitar paralisação total de atividades para estancar vírus (Foto: UYBA)


O preço da paralisação

Foram 17 dias sem jogar, prazo em que muitos de seus adversários fizeram de dois a três jogos. O Busto só conseguir retornar às quadras no dia 8 de novembro contra o Bergamo e com duas ausências por Covid-19, além de Poulter com o tornozelo machucado desde a Supercopa. Não aguentou a falta de ritmo, perdeu por 3 a 2.

Na semana seguinte, dia 15, o adversário foi o aguerrido Cuneo, time que surpreendeu gigantes, mas também sofreu com a Covid. E o Busto voltou a falhar, novamente caiu por 3 a 2. Apenas três dias depois, 18, a LVF remarcou o primeiro dos adiamentos, contra o Firenze, que venceu as borboletas por 3 a 0. 

Após esse jogo, o presidente Pirola marcou uma reunião com a equipe técnica e as jogadoras para entender o que estava acontecendo. Será que precisava mesmo, presidente? 

Passaram-se só três dias novamente, 21, e o Busto já estava em quadra. Assim sofreu uma nova derrota: 3 a 0 para o Novara, time que venceu na semifinal da Supercopa. As pazes com a vitória só foram feitas na semana seguinte, 28, quando venceu o frágil Perugia por 3 a 2.

A bolha da Champions

Sob novo regulamento da Champions League, os quatro times do Grupo A se encontraram em Scandicci. Os jogos, com sede única, foram decididos assim justamente para evitar viagens, reduzindo o risco de novas infecções.

Bulovic passa por protocolos de segurança durante "bolha" da Champions (Foto: Galbiati Anatrini)


No primeiro jogo, o Busto perdeu para o Scandicci por 3 a 2, um resultado normal. No dia seguinte, apesar da vitória, as borboletas só derrubaram o polonês Rzeszow por 3 a 2. Por fim, depois de dez sets em dois dias, o Busto levou um 3 a 0 do Schwerin, resultado mais atípico.

A gente sempre espera mais dos italianos e tantos resultados ruins deveriam cair como culpa sobre alguém, é assim no Italiano. E foi assim que a presidência do Busto anunciou a demissão do técnico Marco Fenoglio.

Terceira onda: 7 positivos

Depois de três jogos consecutivos nos dias 1, 2 e 3 de dezembro, o Busto Arsizio voltou para casa. A LVF agendou o jogo adiado contra o Chieri na 10ª rodada para o dia 8. Foi aí que o time recebeu um comunicado de Scandicci: jogadoras do time que esteve na "bolha" com Busto, Rzeszow e Schwerin testaram positivo para Covid-19.

Algumas jogadoras do time apresentaram febre, então não havia muitas dúvidas: a Covid-19 atingira o Busto Arsizio pela terceira vez. No mesmo dia, 7 de dezembro, a equipe do Busto recebeu a confirmação de sete jogadoras infectadas.

Quarentena total de quinze dias e quatro jogos pendentes: Chieri, Trentino, Casalmaggiore e Monza. Esses jogos, aliás, continuam em atraso, com o Busto sendo o time com menos jogos na liga, ao lado do Scandicci.

Após Champions, Scandicci descobriu resultados positivos; Busto também foi contaminado (Foto: Galbiati Anatrini)


Retorno desfalcado: Stevanovic de oposta

Em 24 de dezembro, véspera de Natal e 21 dias sem jogar, o Busto Arsizio finalmente voltou às quadras. Desta vez contra o campeão mundial Imoco Conegliano. O que parecia difícil, tornou-se impossível: o Busto tinha 6 ausências.

Mingardi, Gennari, Escamilla e Bulovic permaneciam em isolamento por precaução, enquanto Leonardi e Cucco ainda se recuperavam da Covid-19. Musso, auxiliar promovido a técnico, foi obrigado a improvisar Stevanovic de oposta. 

Sem três titulares e Stevanovic improvisada, o resultado foi como esperado: Conegliano 3 a 0. O Busto lutou, fazendo inclusive um 28 a 26 no terceiro set e com 11 pontos de Stevanovic. Mas não conseguiu evitar a derrota.

Jovana Stevanovic ataca china em jogo que atuou como oposta; sérvia fez 11 pontos contra Conegliano (Foto: Michele Gregolin / Conegliano)


Esperança

11º colocado, se vencer os quatro jogos faltantes pode chegar até ao quinto lugar (matematicamente falando, mas os adversários também têm jogos atrasados).  

O próximo jogo é contra o Perugia, no dia 6, e a expectativa é que finalmente o Busto Arsizio jogue completo no Italiano. Todos os times do mundo sofrem com o coronavírus, mas poucos enfrentaram tantos problemas quanto as borboletas da Lombardia. 

Nós acreditamos em dias melhores para o Busto Arsizio, assim como para toda a humanidade. Forza, UYBA!

Busto Arsizio ainda pode reverter quadro e lutar pelos playoffs (Foto: Michele Gregolin / Conegliano)

Comentários

  1. Não é só a CBV que faz �� na hora de definir uma tabela de jogos do principal campeonato do país. A LVF também fez a mesma ��, e os times estão pagando o preço.

    ResponderExcluir
  2. Stevano de oposta :O

    ResponderExcluir
  3. Que bom que este site voltou. Já tinha saudades.
    Gosto muito do Busto e achou que vai melhorar bastante, já não deveria ter adiamentos na rodada de returno, o time vai começar a ganhar e chegar em ritmo para a segunda bolha da Champions.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Paolo, fico feliz em ler isso! =D

      O Busto ganhou mais uma hoje e acredito que ele se recupere a tempo dos playoffs. E que os céus abençoem essa segunda bolha, porque olha...

      Excluir

Postar um comentário

Oi, gente!

Obrigado por comentarem aqui, mas peço que vocês façam isso com respeito para mantermos um nível de discussão agradável. Ofensas pessoais à jogadoras e a outros membros não serão aceitas. É um prazer voar com vocês! ;)