Reta final da Copa tem China, EUA e Rússia no topo

Faltam apenas três jogos para cada seleção até o fim da Copa do Mundo. Se a China está com uma mão na taça e os Estados Unidos oram para um tropeço das rivais, Holanda, Brasil e principalmente a Rússia ainda sonham com o pódio. 

Neste sentido, a Rússia está em estado de graça, já que na última rodada (24), bateu sua rival direta na classificação, a Holanda, por 3 sets a 0 (26-24, 25-18, 25-20). É bizarro como a Holanda está inconstante e decadente. Neste nível, não conseguirá bater de frente com os rivais do Classificatório Olímpico em janeiro. Uma das estrelas da vitória russa foi a levantadora Romanova, que saiu do banco e foi decisiva na distribuição. O ataque holandês pontuou mais, mas foi menos eficiente, já que Sloetjes jogou mais e a distribuição de Bongaerts também não foi boa.

Rússia passou com estranha facilidade pela Holanda (Foto: FIVB)


A Rússia também comemorou a derrota sérvia para a Coreia do Sul por 3 sets a 1 (25-21, 25-18, 15-25, 25-23). O duelo foi bom entre as opostas: Heejin Kim e Bjelica fizeram 21 pontos cada uma. Mas a Coreia teve uma ajuda de peso: Yeonkoung Kim, com 19. Notícia ruim para a Sérvia, que caiu uma posição.

Aleksic e Blagojevic montam duplo pesado contra Heejin Kim (Foto: FIVB)

Caiu porque o Brasil fez seu papel e ganhou com autoridade do Japão por 3 a 0 (25-14, 25-21, 25-23). Alegria geral para as bicampeãs olímpicas, que subiram do 6º para o 4º lugar. Mas como é possível o Japão não conseguir bater de frente com os grandes às vésperas de uma olimpíada em casa? Gabi comandou a vitória brasileira com 16 pontos e o Japão não conseguiu atacar tão bem, exagerando nos erros. Ishii foi a melhor do time com 12 pontos.

Gabi comandou a vitória brasileira contra o Japão (Foto: FIVB)

Nos outros resultados, os Estados Unidos atropelaram a companheira continental República Dominicana por 3 a 0 (25-22, 25-23, 25-9). A China mantém seu 8 a 0, depois de vencer o Quênia por 3 a 0 (25-12, 25-12, 25-14). Camarões voltou a aprontar e abriu 2 a 0 na Argentina, mas acabou tomando a virada, 3 sets a 2 (21-25, 20-25, 25-20, 25-20, 15-12) para as panteras.

Copa do Mundo - Classificação (8ª Rodada)

  1. China - 8 vit, 23 pts
  2. EUA - 7 vit, 20 pts
  3. Rússia - 7 vit, 19 pts
  4. Brasil - 5 vit, 15 pts
  5. Holanda - 5 vit, 16 pts
  6. Sérvia - 4 vit, 12 pts
  7. Coreia - 4 vit, 12 pts
  8. Dominicana - 3 vit, 9 pts
  9. Japão - 3 vit, 11 pts
  10. Argentina - 2 vit, 5 pts
  11. Camarões - 0 vit, 2 pts
  12. Quênia - 0 vit, 0 pts


Adiana ataca contra bloqueio de Fresco; camaronesas chegaram a ter vantagem de 2 a 0 (Foto: FIVB)

Comentários

  1. Acho que o 3x0 para a Holanda vai custar bem caro para o Brasil no final, espero que não! :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se os EUA vencerem a Rússia por 3 a 0, as coisas ficam boas para o Brasil.

      Excluir
    2. E as farsantes têm que vencer as dopadas pq o jogo vale a prata.

      Excluir
  2. única coisa boa que o fubá do Morrison fez pela Holanda foi melhorar o sistema defensivo. No resto, é triste ver um elenco tão bom(e olha que podia ser melhor, considerando algumas jogadoras que o paneleiro americano nem convoca ou não dá espaço...) ser tão desperdiçado assim. Holanda joga bem escorada nos bons lampejos das suas grandes jogadoras. Uma seleção que tinha tudo para crescer muito neste ciclo e até chegar como um dos candidatos em Tóquio. Hoje, sinceramente e infelizmente, não vejo um time tão inconstante assim varrendo um PO europeu que será fortíssimo.(torço para estar errado) Incrível como vão de uma atuação de gala à momentos pífios em um mesmo jogo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Morrison deixou de lado a Stoltenborg, melhor e mais alta levantadora da Holanda, para investir naquela aguada sonsa da Bongaerts, aff.

      O primeiro set estava 21 a 15 para as laranjas que deixaram as dopadas virarem para 26 a 24. ¬¬

      Excluir
  3. A rodada de hoje pode ser decisiva.
    As americanas não podem perder, assim como as russas.
    Essa Copa do Mundo já deixa a Rússia em situação ótima para o ano Olímpico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim!! Depois de anos de decadência, a Rússia enfim volta a fazer uma competição digna e como o objetivo de quem estar em Tóquio agora é evitar um chaveamento muito pesado... Medo de mais um grupo da morte, dessa vez não vai ser como na Rio onde a Itália praticamente abriu mão de ser competitiva e deu vexame em um grupo que era fortíssimo.

      Excluir
    2. "Essa Copa do Mundo já deixa a Rússia em situação ótima para o ano Olímpico."

      Rússia ficou um ponto atrás do bronze dos EUA na última Copa do Mundo. Na Rio 2016 levou um sacode da Sérvia nas quartas.

      Excluir
    3. Não podemos usar de 2016 para qualificar a Rússia. Às vésperas da Olimpíada, Startseva, Ilchenko, Malykh e Pasynkova "sumiram" do roster russo.

      Sem contar que Gamova e Sokolova nunca voltaram, como era esperado.

      Excluir
    4. Mas tbm não dá pra dizer que "essa Copa do Mundo já deixa a Rússia em situação ótima para o ano Olímpico" kkk. Nem os EUA que podem ficar com a prata estão em uma situação ótima para Tóquio, imagina a Rússia rss.

      E a Startseva só saiu do roster russo pq os escândalos de doping explodiram na época da Rio 2016.

      Excluir
    5. Técnico russo e o italiano competiram para saber quem era mais sem noção naquele ano olímpico, Deus me livre.

      Excluir
    6. Sdds da Malykh <3

      Excluir
    7. Fiquei de cara que a Malykh não tá jogando mais. Não sei se ela volta ao esporte, mas deve ser frustrante mesmo ter sido cortada da Rio 2016 e do Mundial 2018 para dar lugar ao poste da Malygina.

      Excluir
    8. Exato, ultimo anônimo. E ela é uma das poucas jogadoras russas que não parece um cone que só ataca. Pena

      Excluir
  4. EUA precisam vencer a Russia. Holanda deve perder para a China. Aí o Brasil precisa dar o sangue contra Rússia, vai valer medalha de bronze! Nada mal, pra um time imcompleto e montado as vésperas do torneio, o que virou rotina nesse ciclo decadente na seleção feminina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! É muito deprimente saber que neste ciclo só teremos a chance de ver o Brasil com o que tem de melhor atualmente na olimpíada (e com dedo cruzado para nada acontecer até lá)

      Excluir
  5. Não tem jeito, a vaga do terceiro colocado será decidida diretamente entre Brasil e Rússia. Isso se as americanas não tomarem uma surra das russas igual na copa do mundo passada, com scherban pisando...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, não sei como uma jogadora pode regredir tanto assim na vida. Scherban estava numa crescente e prometia ser uma grande ponteira. Putz que decepção.

      Excluir
    2. Scherban é a Purubets? Vou assistir esse duelo USA x RUS. Russas sempre entram com o peso da camisa! Com a volta da Kosheleva em 2020 quem irá cair fora? e a principal incognata quem será o novo técnico? Acho que algum KGB poderá ser nomeado. Mas, considerando o sucesso do técnico gringo no masculino, penso que deverá pintar um gringo no comando feminino?

      Excluir
    3. A pessoa ainda está agarrada na Kosheleva KKKKKKKKKKKKKKKKKK.

      "sucesso do técnico gringo no masculino"

      Excluir
    4. Fala não amiga ( último anônimo) Kosheleva kkkkkkk nem bola vira mais. Só se sobrar alguma vaga na reserva.

      Excluir
    5. Sim, só se for pra ser reserva da Goncharova e olhe lá.

      Excluir
  6. Brasil ainda está em 5º lugar pq a Holanda tem um ponto a mais.

    ResponderExcluir
  7. A China perdeu pra quem na copa do mundo de 2015???

    ResponderExcluir
  8. Uma hora e quinze minutos de jogo contra Camarões. As parciais poderiam ser ainda mais baixas, mas enfim. E a Drussyla tomando tocos, meu Deus.

    ResponderExcluir
  9. China perdeu um set, mas despachou a Holanda.

    ResponderExcluir
  10. Gente a Dikjema virou reserva ??

    ResponderExcluir
  11. Como é ridícula essa dancinha das chicleteiras reservas. O pior é ter que torcer por elas hoje contra as ogras russas. Assistindo até o finalzinho do segundo set, saltasse à vista as limitações da seleção americana, os ataques de Larson e Robinson são constrangedores, espero que o Brasil pare de dar moral pra essas fubás, esse seleção americana de 2019/2020 não chega aos pés da seleção de 2012. Chicleteiras só levam o ouro ano que vem se adversárias forem muito incompetentes.

    ResponderExcluir
  12. Vitória chicleteira no truque por 3x2 e com isso respiramos a base de aparelhos na luta pelo bronze, russas tinham tudo pra vencer o tiebreak, mas Voronkova e cia começaram a quinar a vida e entregaram de mão beijada a vitória pras japonesas-ianques. Melhor para nós. O segredo para nossa vitória no domingo é forçar o saque na pândega da Voronkova, que jogadora mequetrefe essa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato! O saque tem que ser muito acelerado em cima da Voronkova e a defesa toda montada a fim de parar a Goncharova.

      Excluir
  13. Não é fácil vencer um tie por 15 a 8 depois de um quarto set perdido por 25 a 17. Logo, não vou reclamar de os EUA não terem fechado a primeira parcial tendo 24 a 23 a favor e deixado a Rússia virar para 26 a 24. Antes de pensar em poder perder apenas um set contra a Rússia, temos que vencer a Coreia do Sul por 3 a 0. Kim foi a única que não jogou hoje e o Lavarini conhece profundamente o nosso time. Bora, Brasil!

    ResponderExcluir
  14. Vendo hoje o jogo da RUSxUSA fiquei bem frustrado pensando como a inconstância do Brasil e isso de não ter um time base e ter de se entrosar e crescer durante as competições vem sendo prejudicial. Se jogasse como jogou a partir da "virada" de postura contra a China a competição hoje seria outra. No mais, com alguns ajustes as russas batem as americanas, o problema é ter alguém competente para fazer isso. Mais um jogo para a turma que coloca as yamkes em um pedestal o qual elas não estão há tempos. Só a gente mesmo para deixar esse estilo de jogo frágil das americanas acontecer.

    ResponderExcluir
  15. Mesmo capenga até dizer chega, quase uma russa no passe, sobrinha da Kosheleva com a Voronkova: Rosamaria de "ponteira" rende mais que a Drussyla kkkkkk (gosto da Dru, mas ela ainda tá verde, só no próximo ciclo mesmo).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "sobrinha da Kosheleva com a Voronkova" KKKKKKKKKKKK Fatos! Ela tomando tocos seguidos de Camarões foi o fim. Drussyla ainda está fora de ritmo. Não sei pq não salta mais para sacar kkk. Eu colocaria a Amanda contra a Coreia do Sul por ter mais controle na recepção e por explorar melhor o block. Drussyla só bate pra baixo na frente da jogadora mais alta do bloqueio adversário.

      Excluir
  16. Estados Unidos com esse "novo voleibol" não ganhara olimpiadas, servia, china e Itália estao um passo a frente ate o proprio Brasil se jogar concentrado ganha delas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Itália nem tanto, China e Sérvia sim. O time americano precisa de alguns ajustes para brigar pelo ouro. Mas honestamente eu duvido que o Kiraly faça. E sempre que lembro do Tande falando em novo voleibol dou risada... kkkkkkk kkkkkkk

      Excluir
    2. Espero que o Kiraly invista mesmo na FubáCourtney e ela flope muito em Tóquio kkkk. Ser substituída pela horrenda Wong-Orantes é fim de carreira.

      Excluir
    3. Estou fazendo uma revisão de literatura para entender esse novo voleibol dito pelo Tande kkkkkkkkk. Ele ainda disse que Pipe é novidade no feminino. Ave maria.

      Excluir
  17. Brasil só fica com o bronze se vencer os dois próximos e últimos jogos por 3 x 0, certo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 3 a 0 ou 3 a 1 nos dois jogos.

      Excluir
    2. Temos que conquistar obrigatoriamente duas vitórias e 6 pontos se quisermos ficar com o bronze.

      Excluir
  18. Espero que as sul-coreanas não aprontem..rsrsrs Contra a Rússia, além dos já falados saque e defesa bem postos é fundamental tomar cuidado com aquele bloqueio. koreleva e Efimova estão voando e eu realmente não espero que a Drussyla "consagre" a boa competição das duas. Eu usaria a Amanda ou no máximo revezaria. Dru vai quente na bola, ataca fácil, mas ainda não tem tanta versatilidade para enfrentar bloqueios pesados garantindo pontos "fáceis" jogando embaixo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pontos fáceis para as adversárias*, é claro! rsrsrs

      Excluir
    2. Sim! Jogo contra o block gigante russo é para explorar e não bater para baixo como a Drussyla vem fazendo, por exemplo. Tbm colocaria a Amanda nos dois próximos jogos. Se ela não corresponder, a Drussyla entra como foi contra o Japão.

      Excluir
  19. Holanda e Brasil = ladeira abaixo
    Polônia e Alemanha = ladeira acima

    E eu vou reforçando minha esperança na Polônia pro PO europeu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mesmo instável, a Holanda ainda bate a Polônia sim. Porque a Polônia consegue ser mais instável ainda.(e olha que eu adoro a Smarzek e quero muito vê-lá em uma olimpíada) O problema holandês chama-se constância e a possível sede do PO, se for na Turquia eu duvido muito de dar algo diferente da classificação turca, infelizmente. E eu teria mais cautela com essas conclusões de ladeira abaixo e ladeira acima, Holanda foi semifinalista olímpica e mundial, mesmo com vários problemas. Brasil faz um ciclo mediano e ainda assim foi a única equipe na Copa do Mundo este ano que bateu de frente e deu algum trabalho ao rolo compressor chinês, mesmo desfalcado e com mais um time diferente em mais uma competição.

      Excluir
    2. A sede do Quali Europeu em janeiro vai ser em Apeldoorn, na Holanda <3

      Excluir
  20. Povo, a Dijkema tá no banco por algum problema físico ou por opção do fuborrison mesmo? Stoltenborg barrada no baile sem motivo algum também, acho ela uma jogadora interessantíssima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ser por escolha do cretino do Morrison mesmo. Stoltenborg é a melhor e maior levantadora da Holanda. Não sei pq foi chutada pelo técnico para dar lugar àquela sonsa da Bongaerts.

      Excluir
  21. No momento, vejo o Brasil completo com Natália, Tandara, Garay (e Thaisa recuperada) no mesmo nível que EUA, Itália e Russia, ficando abaixo apenas de Sérvia e China. Sabendo que as sérvias sempre gostam de amarelar na frente do Brasil em grandes competições e num jogo mágico contra as chinesas num dia não tão inspirado da Zhu, acho que podemos chegar nas Olímpiadas em condições de pódio. É só rezar para que todas jogadores cheguem fisicamente bem, algo que foi quase impossível nesse ciclo olímpico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não diria sempre, porque depois do duplo amasso que a Sérvia nos deu ano passado(na quadra e fora dela rs) o cenário aparentemente mudou. Mas, realmente, tal qual a China não são times que, hoje, seriam impossíveis de ser vencidos. Já vimos elencos ainda mais "assustadores" caindo em olimpíadas, é o bacana dessa competição. Com alguns ajustes, Brasil, USA, Itália(se largar o tradicional flop olímpico) e até mesmo a Rússia(pela tradição e porque mesmo em fase ruim nunca será cachorro morto) podem bater de frente sim.

      Excluir
  22. Gente parece que o pré olimpico feminino em Janeiro vai ser na Holanda http://dal15al25.gazzetta.it/2019/09/27/niente-turchia-le-donne-si-giocano-tokyo-ad-apeldoorn/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém! Que as laranjas não deitem!

      Excluir
    2. Finalmente a federação holandesa acordou para a vida! Já tinha perdido a sede do PO para a Itália mesmo estando à frente no ranking mundial. Vamos ver como as turcas se comportam em terreno hostil kkkk.

      Excluir
    3. Vai ser a oportunidade perfeita para a Holanda se vingar em grande estilo do Guidetti.

      Excluir

Postar um comentário

Oi, gente!

Obrigado por comentarem aqui, mas peço que vocês façam isso com respeito para mantermos um nível de discussão agradável. Ofensas pessoais à jogadoras e a outros membros não serão aceitas. É um prazer voar com vocês! ;)