Novato e lanterna da temporada passada são os únicos invictos do Russo

O Campeonato Russo está apenas na sua terceira rodada, mas já tem várias zebras e resultados inesperados. Dois times despontam na liderança: o novato Lokomotiv Krasnodar, do técnico Voronkov e o tradicional Dínamo Krasnodar, lanterna da última temporada do Russo (não tem rebaixamento nessa liga).

O Lokomotiv já bateu três gigantes do voleibol russo: o Dínamo Kazan na estreia por 3 a 1, travou uma batalha contra o Yenisei Krasnoyarsk por 3 a 2 e atropelou o tradicional Zarechie Odintsovo por 3 a 0. Sua principal pontuadora é a oposta Ana Cleger Abel, cubana dona de uma média de 22 pontos por partida. O time tem ainda a estrela russa Irina Voronkova, filha do técnico e a levantadora campeã mundial com a Sérvia, Bojana Zivkovic. O Lokomotiv já entra como um dos favoritos ao título.

Novato do Russo, Lokomotiv Kaliningrad nunca foi derrotado na competição (Foto: VFV)

Com uma campanha idêntica, diferenciada apenas no point average, o Dínamo Krasnodar supera o terrível campeonato anterior. Na temporada passada o time só venceu um jogo e ficou em último lugar. Atualmente está invicto e ganhou três vezes mais do que na última edição. Na estreia o Krasnodar derrotou ninguém menos do que a lenda Nikolay Karpol, com um 3 a 2 sobre o Uralochka. O Zarechie veio na sequência, vencido por 3 a 1 e o Próton foi o rival mais fácil, batido por 3 a 0. Sua principal jogadora é uma revelação, a oposta Maria Khaletskaya, de 24 anos, dona de uma média superior a 21 pontos por partida. O time tem ainda a habilidosa Anna Matienko no levantamento, além de ex-selecionáveis como Victoria Chaplina e Maria Perepelkina.

Com campanha idêntica ao líder, Dínamo Krasnodar segue invicto no Russo (Foto: VFV)

Os dois dínamos, até então, correm por fora. O Kazan tem uma derrota contra o Lokomotiv e está em terceiro, seguido do Sakhalin e só então do atual campeão, Dínamo Moscow. 

Campeonato Russo - Classificação (3ª Rodada)


  1. Lokomotiv - 8 pts, 3v
  2. Dínamo Krasnodar - 8 pts, 3v
  3. Dínamo Kazan - 6 pts, 2v
  4. Sakhalin - 6 pts, 2v
  5. Dínamo Moscow - 5 pts, 2v
  6. Uralochka - 4 pts, 1v
  7. Minsk (Bielorrússia) - 4 pts, 1v
  8. Yenisei - 4 pts, 1v
  9. Lenningradka - 3 pts, 1v
  10. Zarechie Odintsovo - 3 pts, 1v
  11. Dínamo Metar - 2 pts, 1v
  12. Proton Saratov - 1 pt, 0v

Comentários

  1. As vezes eu sinto falta de ver pela tv o Karpol berrando com as jogadoras da seleção russa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkk - era sensacional - e depois de anos, as jogadoras idolatram o "terrível" Karpol. Mas como surtia efeito aqueles gritos estrondosos! do excelente karpol. As jogadoras reagiam rapidinho. Lembro da jovem Sheshenina aos prantos em plena olimpíadas ao vivo! - a então levantadora russa foi culpada em eliminações russas nas olimpíadas de 2008. Gamova também levou gritos! Parece que a Sokolova fazia tudo certinho e não levava gritos. A Artamanova; a Menshova - outra grande atacante russa - também eram bem comportadas durante as chamadas do Karpol. Em 2012 - em Londres - se a RUS estivesse sob o comando do Karpol -NUNCA -teriam perdido, ou melhor entregado, 0 jogo para o Brasil.

      Excluir
  2. Até que enfim uma revelação russa. Será que deste vez a aprendiz da Gamova sairá fora da seleção russa? isso porque a Maligina - oposta - estave na Rio 2016 e também no Mundial 2018. Mas não mostra evolução na seleção. Com a revelação Khaletskaya, de 24 anos, do Krasnodar, pode ser que ela seja uma selecionável e a Maligina dispensada. No Japão - a RUS virá fortíssima. Hoje a Kosheleva fez 22pts em sua melhor partida na superliga. E olha que Bernardinho estar segurando a jogadora. Será que o Rio de Janeiro tem pinta de finalista?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho um pouco cedo para cravar o Sesc na final, mas sempre é um time muito organizado e difícil de ser batido na Superliga. A Kosheleva é uma atacante espetacular, mas ainda está aquém do que é capaz. Mesmo assim, está começando a se destacar. Isso mostra o nível das atacantes do nosso país, onde as estrangeiras que estão em recuperação ou sem espaço nas principais equipes do mundo vêm e brilham, como é o caso da oposto Skow do Barueri e melhor jogadora da Superliga até a rodada atual. Fawcett, Hooker, Peña e Herrera também começam a sobressair em meio às atacantes braseiras. Precisamos recuperar nossa forma de jogar, ou vamos nos transformar em um Japão, mas sem o sistema defensivo deles.

      Excluir
  3. Campeonato carioca com apenas Sesc e Fluminense consegue ser menos brochante q esse inter classe russo. Zzzzzzz

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Oi, gente!

Nós agradecemos muito por vocês comentarem aqui. Mas precisamos pedir que vocês façam isso com respeito. Ofensas pessoais à jogadoras e a outros membros não serão aceitas. Torçam à vontade, a favor e contra seleções, times e jogadoras. Mas vamos manter essa ferramenta como uma caixa apropriada e divertida para conversarmos, ok? ;)

Obrigado pela colaboração de todos, é um prazer voar com vocês! <3