Mercado do Vôlei - Campeonato Italiano 2020/2021

O maior campeonato do mundo! Reunimos as principais contratações dos times italianos para a temporada 2020/2021, que deve começar em outubro. 12 equipes já estão confirmadas e 2 estão na corda-bamba sobre continuar ou não no campeonato. 

Assim, relacionamos as movimentações do mercado italiano, confiram!


Imoco Volley Conegliano

L: Joanna Wolosz (POL) e Giulia Gennari
O: Paola Egonu e Lucille Gicquel (FRA, Nantes)
P: Kimberly Hill (EUA), Miriam Sylla, McCkenzie Adams (EUA, Schwerin) e Loveth Omoruyi (Club Italia)
C: Robin De Kruijf (HOL), Raphaela Folie, Sarah Fahr (Firenze) e Bozana Butigan (CRO, Mladost Zagreb)
Lb: Monica De Gennaro e Lara Caravello (Martignacco)

Téc: Daniele Santarelli

Unet E-work Busto Arsizio 

L: Jordyn Poulter (EUA, Chieri)
O: Camilla Mingardi (Brescia)
P: Alessia Gennari, Alexa Gray (CAN, Scandicci), Ana Escamilla (ESP, Potsdam) e Francesca Piccinini
C: Rossela Olivotto (Bergamo) e Liset Herrera Blanco (CUB, Volero)
Lb: Giulia Leonardi 

Téc: Marco Fenoglio (Bergamo)

Igor Gorgonzola Novara

L: Micha Hancock (EUA) e Ilaria Battistoni (Consolini)
O: Malwina Smarzek (POL, Bergamo) e Elisa Zanette (Mondovi)
P: Britt Herbots (BEL, Busto), Caterina Bosetti (Casalmaggiore), Nika Daalderop (HOL, Firenze) e Alessia Populini (Club Italia)
C: Cristina Chirichella, Haleigh Washington (EUA, Busto) e Sara Bonifacio (Busto)
Lb: Stefania Sansonna e Francesca Napodano

Téc: Stefanno Lavarini (Busto)

Savino del Bene Scandicci 

L: Ofelia Malinov e Letizia Camera (Casalmaggiore)
O: Magdalena Stysiak (POL) e Kimberly Drewniok (ALE, Schwerin)
P: Lucia Bosetti, Elena Pietrini, Megan Courtney (EUA, Novara) e Srna Markovic (AUT, Cuneo)
C: Marina Lubian, Mina Popovic (SER, Casalmaggiore), Martina Samadan (CRO, Stuttgart) e Agnese Cecconello (Roma)
Lb: Enrica Merlo e Veronica Carocci (Cannes)

Téc: Massimo Barbolini (Novara)

Saugella Team Monza

L: Alessia Orro (Busto)
O: Lise Van Hecke (BEL, Cuneo)
P: Floortje Meijners (HOL), Hanna Orthmann (ALE), Edina Begic (BIE) e Hanna Davyskiba (BIE, gravidez)
C: Anna Danesi, Laura Heyrman (BEL) e Federica Squarcini
Lb: Beatrice Parrochiale e Beatrice Negretti (Progetto)

Téc: Marco Gaspari (Casalmaggiore)

VBC Casalmaggiore

L: Carli Lloyd (EUA, Fenerbahçe) e Valeria Caracuta (Lks Lodz)
O: Rosamaria Montibelle (BRA, Perugia)
P: Kara Bajema (EUA, Washington Univ.)
C: Federica Stufi e Laura Melandri
Lb: Immacolata Sirressi (Bergamo)

Téc: Carlo Parisi (Monza)

Reale Mutua Fenera Chieri

L: Victoria Mayer (ARG, Flamengo) e Francesca Bosio
O: Kaja Grobelna (BEL) e Kertu Laak (EST)
P: Elena Perinelli, Annick Meijers (HOL), Alexandra Frantti (EUA, Rzeszow) e Francesca Villani (Busto) 
C: Rhamat Alhassan (EUA, Caserta), Alessia Mazzaro e Marina Zambelli
Lb: Chiara De Bortoli e Giulia Gibertini (SOV)

Téc: -

Zanetti Bergamo

L: Natalia Valentin (PRC, Rzeszow) e Vittoria Prandi
O: Juliann Faucette (EUA, inatividade) e Katarina Luketic (CRO, Montale)
P: Stephanie Enright (PRC, Chieri) e Sara Loda
C: Gaia Moretto (Filottrano), Giulia Mio Bertolo (Perugia)
Lb: Eleonora Fersino (Conegliano)

Téc: Daniele Turino

Il Bisonte Firenze

L: Carlotta Cambi (Cuneo) e Naoko Hashimoto (JAP, Bucuresti)
O: Terry Enweonu (Conegliano) e Sylvia Nwakalor
P: Anastasia Guerra (Chieri), Mikaela Foecke (EUA) e Celine Van Gestel (BEL, Stuttgart)
C: Yvon Belien (HOL, Galatasaray), Sara Alberti e Fatim Kone (Club Italia)
Lb: Maila Venturi e Sara Panetoni (Club Italia)

Téc: Marco Mencarelli

Bosca San Bernardo Cuneo

L: Noemi Signorille (Cannes) e Alice Turco
O: Erblira Bici (ALB, Busto) e Milka Stijepić (SER, Kuanysh)
P: Adelina Ungureanu, Alice Degradi (Firenze), Gaia Giovanini (Montale) e Olga Stranzali (GRE, Legionovia)
C: Katerina Zakchaiou (CHP, Olympiacos), Sonia Candi e Francesca Fava (Sassuolo)
Lb: Giorgia Zannoni

Téc: Andrea Pistola 

Banca Valsabbina Millenium Brescia

L: Marta Bechis e Ulriki Bridi
O: Anna Nicoletti (Filottrano)
P: Marit Jasper (HOL, Aachen), Giulia Angelina (Filottrano), Lea Cvetnic (CRO, Sassuolo) e Federica Biganzoli
C: Alexandra Botezat (Conegliano), Beatrice Berti (Busto) e Tiziana Veglia (Casalmaggiore)
Lb: Francesca Parlangeli

Téc: ?

Bartoccini Fortinfissi Perugia 

L: Isabella Di Iulio (Monza) e Beatrice Agrifoglio (Cuneo)
O: Serena Ortolani (Monza)
P: Helena Havelkova (RTC, Moscow), Lucija Mlinar (CRO, Dresdner) e Veronica Angeloni
C: Nicole Koolhas (HOL, Yesilyurt), Freya Aelbrecht (BEL, THY) e Luisa Casillo
Lb: Chiara Rumori (Pordenone) e Giada Cecchetto

Téc: Fabio Bovari

Volalto Caserta 2.0

L:
O:
P:
C:
Lb:

Filottrano? Caserta? Repescagem do Trentino Rosa?

Comentários

  1. Esse novo Novara do Lavarini promete muito.

    ResponderExcluir
  2. Campeonato de um time, se duvidar Conegliano nem set vai perder.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem perder sets é exagero. Novara e Monza estão com bons times tbm.

      Excluir
  3. 1 - Conegliano
    2 - Novara
    3 - Monza
    4 - Scandicci
    5 - Busto
    6 - Firenze
    7 a 12 - ...

    ResponderExcluir
  4. Link em HD para rever o tombo chicleteiro na Rio 2016: https://www.youtube.com/watch?v=pY29uMQxscs

    Bjs da Soko. Kkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKKKK Pipe da Lowe no fim do tie ICÔNICA! A mulher ficou tão traumatizada que se afastou por um ano e meio do vôlei kkkk

      Excluir
    2. O melhor é ver a cara de deboche e a dancinha irritante transformando-se em um mar de lágrimas. Tô rindo, mas com respeito. #sqn

      Excluir
    3. O mais bizarro é as chicleteiras realmente acharem que estão arrasando enquanto performam aquelas dancinhas constrangedoras no chiqueirinho kkk. #shame

      Excluir
  5. Gentem, revi again o jogo e me diverti mais se tivesse maratonado Parks and Rec e Veep (kkkkkk), hilária essa partida, chicleteiras vencendo o 1º set, com Foluke virando tudo, depois sente algo no joelho (sei lá) e é substituída pelo cone da Harmotto que parece que não dormia a séculos, cheia de olheiras, sinceramente se tivesse jogado sem a segunda central não teria feito nenhuma diferença, sérvias viram para 2x1, antes KinaHill já havia sido substituída pela Flopinson que é espetacular no passe, mas não vira nem sem bloqueio, Lei de Murphy é substituída por PopcornLowe que passa a derrubar tudo, empatam em 2x2 e vamos para o tiebreak que começa com Lowe arrasadora, Bosko e Brankika bem marcadas, nas chicleteiras Lowe continua absoluta, Chicletarson não recebe uma mísera bola, Flopinson leva toco atrás de toco, mas seguem na frente, quando tem a chance de fazer 13x11 Lowe leva um mega toco no simples da rede e as ogras empatam em 12x12, levam a virada em um ace da Rasic, empatam em um erro da Rasic e dão o match point pras sérvias com o erro de saque da ChicleteAdams (porra, essa guria não sabe sacar? foi a expressão no rosto do patetão do Kiraly) e depois disso vem Boskovic com uma bomba no saque (ver se aprende Adams!), Robinson faz um passe de cinema, Popcorn é amortecida e Boskovic não perdoa e tome um oceano Pacifico de lágrimas chicleteiras e as sérvias em êxtase para serem pisadas sem dó na final contra as chinesas.

    P.S. 1: Kiraly colocou Hill, menino Thompson e Murphy para sacarem nas primeiras duas partes do tie break e aí quando precisou de um saque seguro, já que Adams não sabe passar a bola para o lado adversário, havia estourado as substituições. Haja burrice!

    P.S. 2: Hilário as reservas fubás sérvias berrando no chiqueirinho, estimulando as companheiras que se matavam em quadra.

    P.S. 3: Público brasileiro torcendo desesperadamente para as sérvias porque sabiam que mais dolorido que a nossa eliminação nas quartas seriam ver as chicleteiras sendo campeãs em pleno Maracanãzinho.

    P.S. 4: Maja tem uma tattoo com o próprio nome nas costas, haja delírio.

    P.S 5: Não entendi a postura sérvia na final, a equipe estava totalmente entregue a partir do segundo set, apenas Boskovic e Malesevic (o auge) não deitaram, Mihajlovic e Tássia sérvia principais responsáveis pela perda do ouro nesse dia.

    E antes que me julguem por esse texto boboca, estou na quarentena, minha playlist de séries e filmes está completa e não tenho dinheiro para comprar livros. ;

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verei esse jogo de novo só para responder completamente esse comentário maravilhoso. Aguarde! kkk

      Excluir
    2. Obrigado pelo elogio. Tô no aguardo.

      Excluir
    3. "P.S. 2: Hilário as reservas fubás sérvias berrando no chiqueirinho, estimulando as companheiras que se matavam em quadra."

      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK GRITEI

      Excluir
  6. Admiro o Fair play da seleção norte americana nas Olimpíadas de Londres/2012. Na fase inicial de classificação elas já estavam classificadas para o playoff, se perdessem o jogo para a Turquia, a Turquia ultrapassava o Brasil, se classificando em quarto lugar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Da mesma forma que elas foram salvas pela chinesas para ir ao F6 do Mundial 2018 ao invés das russas. Combinações escusas de resultados é, principalmente, com japonesas e sérvias.

      Excluir
    2. Sim, foi realmente admirável o fair play chicleteiro em Londres, mas assim como as chinesas em 2018 acredito que elas estavam mais do que cientes que o ouro estava praticamente garantido, sem contar que o Brasil se mataria com a Rússia por uma vaga nas semi, e a Rússia talvez fosse a única seleção que fizesse frente a elas. Em 2012, EUA e Rússia eram as seleções favoritas ao ouro, com Brasil e Itália mais atrás, mas o jogo é jogado né?

      Excluir
    3. A China avançou as chicleteiras ao F6 do Mundial para, apenas 3 dias depois, ajudar a barrá-las do F4 kkkkkk.

      Italianas estavam entre as favoritas em Londres? Amo que elas sempre flopam em Olimpíadas hohoho.

      Excluir
    4. Teoricamente sim, Itália vinha de um bi na World Cup 2011 e seria a 4a/5a força do Campeonato junto com a China, mas Kim e suas companheiras fubás passaram o rodo nelas nas quartas. Coréia era seleção sensação, venceram Brasil, Itália, engrossaram o caldo chicleteiro, pra na disputa do bronze deitarem pras anãs nipônicas, sem comentários.

      Excluir
    5. Pois é. A coitada da Kim jogou sozinha em Londres e ganhou merecidamente o MVP, mas perdeu a maior chance da vida para se tornar uma medalhista olímpica. Difícil ela alcançar tal feito em Tóquio antes de se aposentar da seleção sul-coreana, mas vai saber pq Olimpíada é super imprevisível. O nosso 1º jogo olímpico ano que vem é contra ela e o Lavarini, bom desafio já de cara.

      Excluir
  7. Caserta tá anunciando seus reforços pra A1. Tem duas brasileiras, a levantadora Bruna Lemos e a Niki del Rio e uma oposta Sérvia por enquanto. Espero que seja uma temporada menos turbulenta por lá.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Oi, gente!

Obrigado por comentarem aqui, mas peço que vocês façam isso com respeito para mantermos um nível de discussão agradável. Ofensas pessoais à jogadoras e a outros membros não serão aceitas. É um prazer voar com vocês! ;)